Feeds:
Posts
Comentários

Archive for novembro \26\UTC 2012

A saída de Mano Menezes da Seleção Brasileira já foi bastante discutida. É praticamente unânime: foi a decisão certa na hora errada. Faria sentido demitir Mano depois da Copa América ou da Olimpíada de Londres. Não agora, quando o trabalho estava em evolução. Muitos comentaristas seguiram essa linha ao comentar o assunto, como Arnaldo Ribeiro e Fabio Chiorino. Há também quem acredite em motivações políticas para justificar a decisão, como Menon e Sergio Xavier. Não duvido.

Mas o leite está derramado e não adianta chorar. É preciso olhar para frente e ver quem deve assumir o cargo. Inclusive já foi criada praticamente uma campanha para que Pep Guardiola seja o novo técnico do Brasil – além do pedido de comentaristas, como Lédio Carmona e Antero Greco, houve até uma carta aberta feita pelo Lance!, neste domingo. É evidente: seria no mínimo interessante ver o espanhol no comando do Brasil.

Mas permitam-me ser pessimista: duvido que Guardiolá vá assumir a Seleção. O diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez, tem repetido que não quer um estrangeiro no comando. É claro que o ex-presidente corintiano está com menos poder agora, mas vejo José Maria Marin com o mesmo pensamento – retrógrado e conservador, ele jamais vai aceitar que um espanhol treine a Seleção na Copa do Mundo que acontecerá no Brasil. Para eles seria uma afronta, não uma revolução.

Além disso, firmo meu pessimismo em outro raciocínio: a CBF jamais demitira Mano agora, sem um grande motivo, se não tivesse outro técnico de ponta engatilhado. E no momento parece óbvio: Felipão é a carga na manga de Marin. Sem clube, ele já poderia ter acertado ou pelo menos negociado com outros times de ponta, como Grêmio e Inter, além de clubes do exterior. Mas provavelmente se resguardou porque tem a certeza de que vai assumir a Seleção. Com uma ressalva.

Mas é claro que há uma ressalva: afinal, se Felipão estivesse 100% confirmado, poderia ser anunciado agora, não em janeiro apenas. O que fez a CBF adiar esse anúncio é o “fator Tite”. Explico – o técnico do Corinthians é competente, tem estilo que agrada à CBF, quer assumir a Seleção e está em alta. Porém, vai disputar o Mundial de Clubes em dezembro. É preciso esperar o que vai acontecer no Japão para que a CBF tome a última decisão.

Caso o Corinthians vença, Tite estará elevado ao nível de Deus entre os corintianos e será cada vez menos contestado por outras torcidas. Aproveitará para sair em alta do time paulista e irá direto para a Seleção, tomando o lugar que seria de Felipão. Caso perca, continuará bem no Corinthians e deixará o lugar aberto para seu companheiro gaúcho, que já está conversado com a CBF.

É claro que tudo isso é observação e análise, não informação. Mas parece muito mais realista do que imaginar que Guardiola vá assumir a Seleção às vésperas da Copa de 2014…

Me surpreenda, Marin.

Read Full Post »

“Quando surge o alviverde impotente…”. Era apenas uma piada infantil. Mas se tornou a melhor descrição da realidade palmeirense. Um clube imponente foi representado por um time impotente e broxou durante 36 rodadas nesta temporada. Caiu de divisão e caiu em dignidade, mas precisa entender: foi a melhor coisa que poderia acontecer. E não é difícil entender. Explico…

Palmeiras rebaixado/ Mauro Pimentel/ Terra

De Maurício Ramos a Maikon Leite, o torcedor palmeirense pode eleger muitos culpados pela queda. Mas na prática só há um grande culpado: Arnaldo Tirone é maior símbolo de incompetência do clube. Porque é preciso ser muito ruim para rebaixar um time como o Palmeiras, com orçamento, torcida e estrutura muito maiores que os adversários. É preciso ser péssimo para contratar Leandro Amaros e Luans, dar poder para Frizzos e Piracis, além de se omitir nos piores momentos.

Mesmo assim, se não houvesse rebaixamento, Tirone iria buscar a reeleição no Palmeiras. E talvez conseguisse, baseado no título mentiroso da Copa do Brasil e na política bagunçada do clube. Ele ficaria por mais dois anos e teria a máquina na mão para afundar de vez o Palmeiras. O clube continuaria com seu estatuto atrasado, com seus conselheiros retrógrados e com suas ideias antiquadas. Tudo no Palmeiras é antigo, inclusive a incompetência.

Por isso o time precisa de mudanças, que só podem começar pela presidência. As eleições estão marcadas para janeiro, data essa que já deveria ser antecipada. É preciso eleger já um novo nome, que deve ficar entre Paulo Nobre, Décio Perin e Wlademir Pescarmona. Pouco se conhece sobre eles, mas já fizeram algo de bom…

Na última sexta-feira, os três assinaram juntos uma carta na qual se comprometeram a fazer um “governo de transição”. Vão trabalhar juntos, desde já, para planejar o 2013 do Palmeiras. E, de acordo com PVC, pretendem manter Gilson Kleina. Creem que o treinador é a pessoal ideal para manter, tirar e indicar novos jogadores. Independente desta escolha, só o fato dos três terem se unido já mostra que uma mudança começou. O Palmeiras precisa de paz e união. Todas as confusões possíveis já aconteceram.

Por essas e outras que o rebaixamento pode ser tão importante para o Palmeiras.  Nem sempre cair é bom, concordo – tantos outros foram rebaixados, não aprenderam e continuam a repetir velhos vexames.  Mas o “alviverde imponente precisava disso para ter esperança de mudar. É possível fazer um novo velho Palmeiras, que não broche e honre sua história. Mas antes de se levantar, esse time precisava cair. O primeiro passo está dado. Comemore, Palmeiras!

Vinicíus caído/ Mauro Pimentel/ Terra

Depois de cair, é preciso mudar para se levantar

Read Full Post »

Acabei de comprar o Guia do Campeonato Brasileiro de 2022. Cheguei em casa, comecei a ler, mas logo meu filho e seus amigos me cercaram. Disputaram para ver as página dos seus times, mas eu queria ver os arquivos e as estatísticas, como sempre fiz. Demorou mais de 20 minutos para isso, mas consegui. E no fim eles também se interessaram – queriam saber detalhes dos antigos campeões…

Contei a eles o que minha memória permitiu. Comecei pelo histórico Flamengo campeão de 1992, passei pelo bicampeonato do Palmeiras-Parmalat e destaquei o Túlio no título do Botafogo em 1995, sem citar as polêmicas, para não desencantar os meninos.

Em 96, lembrei da pequena gigante Portuguesa, apesar do título do Grêmio. Em 97, impossível não destacar Edmundo na conquista do Vasco. E logo veio o bi do Corinthians, com questionáveis parcerias, mas inquestionável qualidade.

Expliquei que a partir de 2000 era melhor esquecer de alguns campeões. Chamei atenção para o Santos de 2002 e 2004, com os novos Meninos da Vila; e também para o Cruzeiro de 2003, de Alex, Luxemburgo e companhia. Mas logo veio o polêmico título corintiano em 2005 e as pouco encantadoras conquistas do São Paulo em 2006, 2007 e 2008.

Em 2009 falei de Adriano e Petkovic. Em 2010 lembrei de Conca. Mas em 2011 não tinha um destaque individual, só um forte conjunto corintiano, que depois seria campeão da Libertadores. Quis continuar, mas travei em 2012.

“Por que, pai? Como você lembra de todos de antes e esquece desse? Não faz nem 10 anos”, me lembrou meu filho, esperto e bom em matemática – “deve ter puxado para a mãe”, pensei, antes de continuar me esforçando para lembrar do Fluminense campeão de 2012.

“Primeiro é preciso lembrar da Unimed. Eles tinham uma parceria que trazia muito dinheiro para o clube”, comecei. “Mas então eles tinham vários craques, como o Palmeiras de 93-94 ou o Corinthians de 98-99?”, perguntaram.

Fluminense campeão/ Fernando Borges/ Terra

“Time de guerreiros”

“Não, o Fluminense não tinha grandes craques. Tinha jogadores muito bons, como Fred, Thiago Neves, Jean e Diego Cavalieri”, comentei em vão – nenhum deles brilhou pela Seleção Brasileira ou na Europa, então os meninos pouco sabiam quem eram. Só conheciam Wellington Nem, que ainda joga até hoje, apesar de ter perdido o que era seu ponto forte, a velocidade.

Eles continuavam sem entender nada. Apelei para a defesa, disse que o time tomava poucos gols. Mas meu argumento caiu quando disse que os zagueiros eram  os esforçados Gum e Leandro Euzébio. Diego Cavalieri fez defesas incríveis, mas os meninos eram novos demais para acreditar em milagres.

Estava cada vez mais difícil. Citei Abel Braga e isso ajudou, já que ele tinha grande currículo e foi importante para a tática do time. Mas era exigir demais o entendimento de como funcionou o 4-2-3-1 do Fluminense naquela época.

Então desisti. Parti para o Campeonato Brasileiro de 2013, era mais fácil – eles eram fãs do Neymar e rapidamente entenderam como o Santos foi campeão naquele ano.

Mas fiquei com aquela dúvida na cabeça. “Como o Fluminense foi campeão em 2012?”. Foi preciso refletir um pouco mais para entender: não há apenas um motivo que explique. É uma conjunção de fatores e foi isso que fez o título tricolor ser tão justo naquela temporada.

Read Full Post »