Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Abel Braga’

Acabei de comprar o Guia do Campeonato Brasileiro de 2022. Cheguei em casa, comecei a ler, mas logo meu filho e seus amigos me cercaram. Disputaram para ver as página dos seus times, mas eu queria ver os arquivos e as estatísticas, como sempre fiz. Demorou mais de 20 minutos para isso, mas consegui. E no fim eles também se interessaram – queriam saber detalhes dos antigos campeões…

Contei a eles o que minha memória permitiu. Comecei pelo histórico Flamengo campeão de 1992, passei pelo bicampeonato do Palmeiras-Parmalat e destaquei o Túlio no título do Botafogo em 1995, sem citar as polêmicas, para não desencantar os meninos.

Em 96, lembrei da pequena gigante Portuguesa, apesar do título do Grêmio. Em 97, impossível não destacar Edmundo na conquista do Vasco. E logo veio o bi do Corinthians, com questionáveis parcerias, mas inquestionável qualidade.

Expliquei que a partir de 2000 era melhor esquecer de alguns campeões. Chamei atenção para o Santos de 2002 e 2004, com os novos Meninos da Vila; e também para o Cruzeiro de 2003, de Alex, Luxemburgo e companhia. Mas logo veio o polêmico título corintiano em 2005 e as pouco encantadoras conquistas do São Paulo em 2006, 2007 e 2008.

Em 2009 falei de Adriano e Petkovic. Em 2010 lembrei de Conca. Mas em 2011 não tinha um destaque individual, só um forte conjunto corintiano, que depois seria campeão da Libertadores. Quis continuar, mas travei em 2012.

“Por que, pai? Como você lembra de todos de antes e esquece desse? Não faz nem 10 anos”, me lembrou meu filho, esperto e bom em matemática – “deve ter puxado para a mãe”, pensei, antes de continuar me esforçando para lembrar do Fluminense campeão de 2012.

“Primeiro é preciso lembrar da Unimed. Eles tinham uma parceria que trazia muito dinheiro para o clube”, comecei. “Mas então eles tinham vários craques, como o Palmeiras de 93-94 ou o Corinthians de 98-99?”, perguntaram.

Fluminense campeão/ Fernando Borges/ Terra

“Time de guerreiros”

“Não, o Fluminense não tinha grandes craques. Tinha jogadores muito bons, como Fred, Thiago Neves, Jean e Diego Cavalieri”, comentei em vão – nenhum deles brilhou pela Seleção Brasileira ou na Europa, então os meninos pouco sabiam quem eram. Só conheciam Wellington Nem, que ainda joga até hoje, apesar de ter perdido o que era seu ponto forte, a velocidade.

Eles continuavam sem entender nada. Apelei para a defesa, disse que o time tomava poucos gols. Mas meu argumento caiu quando disse que os zagueiros eram  os esforçados Gum e Leandro Euzébio. Diego Cavalieri fez defesas incríveis, mas os meninos eram novos demais para acreditar em milagres.

Estava cada vez mais difícil. Citei Abel Braga e isso ajudou, já que ele tinha grande currículo e foi importante para a tática do time. Mas era exigir demais o entendimento de como funcionou o 4-2-3-1 do Fluminense naquela época.

Então desisti. Parti para o Campeonato Brasileiro de 2013, era mais fácil – eles eram fãs do Neymar e rapidamente entenderam como o Santos foi campeão naquele ano.

Mas fiquei com aquela dúvida na cabeça. “Como o Fluminense foi campeão em 2012?”. Foi preciso refletir um pouco mais para entender: não há apenas um motivo que explique. É uma conjunção de fatores e foi isso que fez o título tricolor ser tão justo naquela temporada.

Read Full Post »

O Fluminense não é “tantas vezes campeão” quanto Lamartine Babo declarou no hino tricolor. Porém, está próximo de colocar mais um título em sua história. O time de Abel Braga assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro nesta quinta-feira e, mais importante do que isso, tem provado que pode se manter nessa posição até o fim. E aqui não cabe nenhuma acusação de oportunismo, pois há diversos motivos para justificar o favoritismo tricolor. Explico…

É desnecessário elogiar o elenco do Fluminense. Sobram opções de qualidade e a maioria delas está do meio-campo para frente: Thiago Neves, Deco, Wagner, Wellington Nem, Rafael Sóbis, Fred, etc…

Pois está exatamente aí o grande segredo do trabalho de Abel Braga: especialista em montar defesas, ele fortaleceu o que seria o ponto fraco do Fluminense. Agora o time é o menos vazado do Campeonato, com apenas 15 gols sofridos em 22 jogos disputados até agora. E vale destacar: não há grandes zagueiros no elenco, apenas Leandro Euzébio, Gum e Anderson – jogadores de qualidade mediana que têm se esforçado demais.

Gum e Wellington Nem/ Foto: Mauro Pimentel/ Terra

Experiência e juventude estão bem misturadas no Fluminense

Além disso, a aposta na experiência é outro detalhe importante do elenco do Fluminense. Em todas posições há pelo menos um jogador bastante rodado e que sabe o caminho dos títulos. Isso tem mantido o grupo focado e unido, claramente disposto a tudo para ser campeão mais uma vez. É possível enxergar ainda o embrião da equipe que quase foi rebaixada em 2009 e depois virou campeã brasileira em 2010.

Mas se for preciso juventude e fôlego renovado para buscar o título, o Fluminense também possui elenco para isso. Liderados por Wellington Nem, diversos jogadores das categorias de base têm conseguido espaço. Nesta quinta-feira, contra o Santos, foi a vez do centroavante Samuel brilhar. Mas há ainda Wallace, Fábio Braga, Matheus Carvalho, Marcos Jr e outros. A produção de talentos em Xerém sempre reforçou de verdade o elenco principal e dessa vez não será diferente.

Mas é evidente que o Fluminense não é um time perfeito. Ainda sofre com carência em algumas posições, nem sempre é criativo no meio-campo e demonstra irregularidade dentro de uma mesma partida. Mas a falta de concorrentes pelo título deve compensar isso: o Atlético-MG vai sofrer para lidar com a pressão de voltar a ser campeão; o Grêmio não tem uma defesa forte suficiente para ser campeão e sequer um técnico capaz de corrigir isso; e São Paulo, Internacional, Botafogo ou Cruzeiro teriam que conseguir uma arrancada improvável para alcançá-lo.

Portanto não faltam motivos para apontar o Fluminense como favorito absoluto ao título do Campeonato Brasileiro. Não é oportunismo. Na verdade é uma oportunidade bem aproveitada.

Read Full Post »


Não faz nem duas semanas que escrevi neste blog sobre o Fluminense: “falta uma tática preparada, faltam estratégias ensaiadas e sequer existe uma formação titular definida”. Isso mudou um pouco durante duas semanas. Mas o Flu foi campeão da Taça Guanabara e essa conquista só serviu para provar como o time tem potencial para ser um dos melhores do Brasil em 2012. Afinal, se mesmo sem ser um time ainda, já conseguiu isso, imagina o que pode ser conquistado com o passar do tempo…

No mesmo texto em que critiquei o Fluminense, também o elegi como um dos dois melhores times do Rio de Janeiro. Com a vitória imponente sobre o Vasco, neste domingo, Abel Braga mostrou que sua equipe pode ser mais, pode virar uma das três melhores do Brasil, ao lado de Corinthians e Santos. Briga com Vasco, Inter e talvez São Paulo por essa condição. Mas tem um elenco melhor que os três. Só precisa de tempo para evoluir.

É claro que nem tudo é um mar de rosas nas Laranjeiras e os testes reais ainda virão na Copa Libertadores. Só com esses jogos sabremos como está realmente preparado esse time. Mas já há indícios que como fazer o time ideal do Fluminense e diversos comentaristas esportivos perceberam e analisaram isso…

Sala de imprensa
Acima de tudo, é preciso destacar a importância que o jovem Wellington Nem conquistou nesse Fluminense. E a palavra é essa mesmo: “conquistou”. Entre tantas estrelas, ele voltou de empréstimo e teve que batalhar para ter chances. Aproveitou cada oportunidade e “arrebentou com o jogo” contra o Vasco, como escreveu Pedro Venancio. E PVC também destacou sua importância, principalmente por ter disposição para marcar laterais.

Wellington Nem já tinha decidido contra o Botafogo

Outros jogadores também merecem elogios. Deco foi o protagonista na final. “É inteligente, tem uma visão de jogo incrível e um toque de bola refinadíssimo”, elogiou Benjamin Back. Bruno tem sido um coadjuvante importante, que poucos falam, mas é perceptível sua qualidade. Tem mostrado que não é jogador de time pequeno. E contra o Vasco não foi diferente. “Bruno teve uma participação fundamental na partida e o terceiro gol saiu de uma bela roubada de bola dos seus pés”, destacou também Benjamin.

Mas, independentemente dos talentos individuais, o que começa a se criar no Fluminense é um conjunto. “A tendência é o Fluminense brigando em todas as frentes”, como decretou Mauro Cezar Pereira. Em primeiro lugar, por encontrar uma formação que se encaixa bem, com Deco, Thiago Neves e Wellington Nem armando para Fred concluir. “Do meio pra frente é sair para abraçar os gols de Fred, aplaudir a ousadia de Wellington Nen, a decisão de Thiago Neves, e a categoria de Deco”, resumiu Mauro Betting.

Além disso, há a questão tática. Abel Braga escalou o time em um 4-2-3-1 que “beirou à perfeição”, como analisou André Rocha. Aliás, vale aqui também elogiar o técnico do Fluminense nas palavras de Vitor Sérgio: “Não é qualquer técnico que tem coragem de colocar um garoto criado em casa para jogar, mesmo tendo como opções jogadores mais experimentados e consagrados como Wágner ou Rafael Sóbis”. Ponto final. Ou quase…

Perigos
Se o técnico é bom, se existem jogadores decisivos, se a tática está definida e há inclusive um elenco forte, o Fluminense não tem problemas, certo? Errado: existem algumas armadilhas que podem minar o sucesso do time.

Um deles é o próprio ambiente interno no Fluminense. Caso Wagner e Rafael Sóbis, por exemplos, realmente virarem reservas, eles vão aceitar isso normalmente? Existem muitas estrelas para pouca constelação no Fluminense. Como Dassler Marques lembrou, Abel “precisará controlar um elenco com muitos jogadores de grandes objetivos pessoais”. Desafio difícil.

A defesa também carece de acertos. A contratação de Anderson foi inteligente, pois ele é um bom zagueiro, mas não mais do que isso. Ao lado de companheiros fracos e com a proteção de volantes questionáveis, não vai resolver essa deficiência do Fluminense. É capaz do time ter sempre que fazer cinco gols para superar os quatro sofridos. Nem sempre isso será possível…

E, acima de tudo, é preciso dar tranquilidade para Abel Braga. Era um absurdo falar de sua saída por causa de resultados na Taça Guanabara. O Fluminense precisa de tempo para ficar pronto. Em duas semanas já mostrou uma evolução incrível. Imagine então ao longo da temporada.

Podemos ver mais cenas parecidas com essa na temporada

Read Full Post »

Assim que Ricardo Gomes foi demitido e o São Paulo resolveu dar uma chance para Sérgio Baresi, acreditei que isso poderia ser positivo para o time. Até fiz um post aqui para explicar esse raciocínio.

Mas esse otimismo da minha parte só viraria realidade se dessem respaldo e tempo para Baresi. Claramente não foi o que aconteceu. As derrotas vieram e agora parece que o São Paulo já busca novamente um técnico.

Vários nomes foram especulados*, mas nenhum parece realmente próximo de um acerto. Há quem garanta que a decisão já vai ser anunciada nesta quinta-feira, mas por enquanto só nos analisar quais seriam as melhores opções de treinadores para o São Paulo:

* = A especulação sobre cada técnico está linkada no nome deles abaixo

1) Abel Braga
É um técnico disciplinador, de pulso e vitorioso. Sabe motivar elencos e isso é uma das coisas que o São Paulo mais precisa no momento, já que toda a estrutura do clube parece acomodada.

O problema é que ele mesmo já admitiu que sua saída do Al-Jazeera é extremamente complicada. O Tricolor paulista também já sabe que precisa pensar em outras opções…

2) Paulo Autuori
Suas passagens recentes por Grêmio e Cruzeiro foram ruins, mas é inegável que ele tem qualidades. Já conseguiu algum sucesso no São Paulo e certamente teria a torcida ao seu lado, pelo menos no princípio. Traria alguma tranquilidade ao conturbado ambiente do time do Morumbi.

3) Tite
É um técnico subestimado no Brasil, talvez pelo seu jeito de falar, talvez por ser contido demais. Mas tem conhecimento tático de futebol e já tirou outro time grande, o Corinthians, do perigo do rebaixamento, que é o principal fantasma atualmente no São Paulo.

4) Silas
Apesar de ter errado demais recentemente no Grêmio, ele tinha mostrado, no 1º semestre, alguma qualidade. Seu trabalho no Avaí, no ano passado, também tinha sido ótimo. Aparenta ser um técnico inteligente e pode dar certo em um clube no qual ele já fez sucesso como jogador.

5) Dunga
Quem acompanha esse blog sabe que eu não era um dos maiores críticos de Dunga na Seleção Brasileira. Por isso creio que ele merecia uma chance para treinar um time no Brasil. Seu estilo sério e disciplinador pode trazer um bom choque para o São Paulo.

Entretanto, por problemas pessoais, parece que Dunga não tem a intenção de voltar a treinar em breve.

6) Sérgio Soares
Seria uma aposta, já que o atual técnico do Santo André é novo e nunca treinou um time grande. Porém, ele já mostrou que tem qualidades e pode assumir esse desafio.

Sérgio montou o time que surpreendeu no Campeonato Paulista com algumas jovens revelações, exatamente o que o São Paulo poderia tentar fazer agora.

7) Vanderlei Luxemburgo
Ele não desaprendeu a montar bons times, mas com certeza está em decadência na carreira. Além disso, tem um perfil que não agrada parte da diretoria são paulina, o que atrairia ainda mais confusão para um time que já está com o ambiente conturbado demais.

8) Antônio Lopes
Confesso que fui surpreendido por seus bons resultados no comando do Avaí, mas continuo duvidando de sua capacidade atual. Antônio Lopes já foi bom, mas o tempo dele passou e hoje ele não conseguiria tocar a renovação que o São Paulo tanto precisa.

9) Leonardo
Sua passagem pelo Milan foi no mínimo estranha e ele não parece disposto a exercer esse função novamente. Aparenta ter um estilo comedido demais, sendo que o São Paulo, no momento, precisa de um técnico mais enérgico. Pesa contra ele também a falta de experiência.

10) Toninho Cerezo
Seu trabalho como treinador é pouco conhecido no Brasil, mas a recente passagem pelo Sport já deixou sinais negativos. O único ponto forte que consigo enxergar em sua contratação é o fato dele ter uma história gloriosa como jogador do São Paulo, o que poderia acalmar a torcida.

11) Maradona
Prefiro ficar com as palavras de Leco para comentar esse boato absurdo que surgiu sabe-se lá como: “É dificil, porque o São Paulo quer ser dirigido por homens do futebol, e não de marketing. Ele seria bom em marketing, mas no próprio país dele existem treinadores de mais qualidade”.

Read Full Post »

Se o mundo fosse um lugar ideal seria legal apoiar as sugestões de Mauro Cezar Pereira e Flávio Gomes: ambos imaginaram como seria interessante se os técnicos cogitados para substituir Dunga na Seleção Brasileira se recusassem a assumir o cargo.

No entanto, é totalmente improvável que isso aconteça e o melhor a fazer é estudar quais dessas opções são as mais interessantes para ficar com a bomba de evitar um novo Maracanazzo a todo custo. É o que tento analisar abaixo, com a lista dos 11 treinadores que podem assumir o Brasil a partir de agosto:

1) Felipão
É o nome mais óbvio e mais citado. Por isso causa tanta polêmica. Vitor Birner, Cassiano Gobbet e José Ilan o citaram como melhor opção. Já Ubiratan Leal e Mauro Cezar Pereira levantaram questionamentos e desconfianças.

Pois eu concordo mais com o primeiro grupo, mas não acredito que Felipão aceitará o desafio. Afinal, tem pouco a ganhar: caso ele vença a Copa, dirão que ele só fez sua obrigação. Caso perca, queimarão tudo de bom que ele realizou em 2002.

2) Mano Menezes
Alberto Helena Jr. e Carlos Pizzatto disseram preferir o técnico do Corinthians no comando da Seleção. Quase me convenceram a concordar com isso, admito.

É um técnico que já foi muito elogiado aqui, mas também teve grande parcela de culpa pelo fracasso alvinegro na Copa Libertadores. Ainda parece não estar pronto, mas pode dar certo.

3) Leonardo
A Seleção precisa de um coordenador e talvez o nome ideal para esse cargo seria o de Leonardo, como eu já tinha comentado no twitter. Com experiência em cargos administrativos, bom relacionamento com a imprensa e conhecimento do futebol internacional, ele aliviaria a pressão do técnico do Brasil para 2014.

Porém, como treinador, sua contratação seria um erro. Seu trabalho no Milan foi apenas razoável e ele ainda é inexperiente. Talvez assuma como tapa-buraco para que alguém melhor venha em 2012, mas é um grande risco.

4) Vanderlei Luxemburgo
Há quem ainda veja nela um ‘técnico top’, mas só consigo enxergar sua decadência nos últimos anos. Luxa já teve sua chance na Seleção e a desperdiçou, até por questões extra-campo.

Agora, com seu especulado envolvimento exagerado com o pôquer e fracassos seguidos em clubes grandes, como Palmeiras e Santos, não é a hora de dar nova oportunidade para ele.

5) Muricy Ramalho
Existem notícias e comentários que o especulam para o cargo, mas duvido que a CBF o contrate. Afinal, mais do que nunca a entidade precisa de um bom relacionamento com a imprensa (leia-se Globo) e Muricy definitivamente não prima por isso.

6) Paulo Autuori
Seu nome tem sido pouco cogitado na imprensa, até porque ele ainda está no futebol do Catar, mas ele tem bastante do perfil que a CBF procura e é um candidato com grandes chances.

Veja bem: candidato com chances não é candidato bom. São coisas diferentes. O último trabalho razoável de Autuori foi em 2005, no São Paulo, e ainda assim com ressalvas. Enfim… não gosto da ideia, mas já começo a me acostumar com ela.

7) Ricardo Gomes
A ida do técnico do São Paulo para a Seleção tem sido razoavelmente especulada e sem dúvidas ele é outro que tem um perfil interessante na visão da CBF. Mas…

Como bem lembrado por Marcelo Barreto, é preciso sempre destacar que, como técnico específico da seleção olímpica, ele não conseguiu sequer classificar a geração de Diego e Robinho aos Jogos de 2004, em Atenas.

8) Dorival Júnior
O bom trabalho que ele tem feito no Santos passou a credenciá-lo como técnico de nível de Seleção, mas a verdade é que ele ainda está distante disso.

Aliás, o próprio Dorival admitiu que há gente mais capacitada do que ele. Concordo. E é preciso destacar que essa declaração só mostra como ele é inteligente, tem potencial e ainda pode vir a ser um treinador do alto escalão brasileiro no futuro.

9) Falcão
Uma entrevista recente de Ricardo Teixeira, no qual ele falou sobre renovação, fez com que o nome do comentarista fosse especulado. O presidente da CBF lembrou que Falcão trouxe novos nomes para a Seleção após a copa de 1990, mas “foi sacrificado”.

No entanto, é preciso lembrar, como fizeram Ubiratan Leal e Dassler Marques, que esse discurso de Teixeira não deve ser posto em prática, infelizmente. E, dessa forma, acabarão as chances de Falcão virar de novo o técnico do Brasil.

10) Abel Braga
É um técnico experiente e vencedor, que lembra o estilo de Felipão. Por isso já foi cogitado na imprensa. Mas o fato é que seu melhor momento já passou, atualmente ele está esquecido e dificilmente será convidado.

11) Caio Júnior
É brincadeira do Zagallo neh?!!!

Até o Joel Santana disse que pretende entrar nessa festa. Mas aí a brincadeira passa dos limites…

Read Full Post »

no fim do mundo header

Lembra dele? Rafael Sóbis viveu seu melhor momento da carreira em 2006, quando foi campeão da Copa Libertadores. Também passou por uma boa fase na Seleção Brasileira de Dunga, em que chegou a ser titular nos amistosos contra Suíça e Portugal, por exemplo. A convocação para as Olimpíadas foi a sua última chance com a amarelinha.

Qual foi sua última aparição? Sóbis está com uma lesão grave no ligamento cruzado do joelho e tem cuidado dela em Porto Alegre, no Beira-Rio.

Enquanto isso, aproveita para agradar seus fãs no twitter (@rafaelsobis), como uma colorada que ganhou a promoção para tirar essa foto:

Rafael Sóbis e uma fã posaram com a medalha e a taça da Copa Libertadores de 2006

Rafael Sóbis e a fã Carol Peretto posaram com a medalha e a taça da Copa Libertadores

Onde é o fim do Mundo? Rafael Sóbis tem se escondido no Al-Jazira, dos Emirados Árabes. Está lá desde 2008, quando saiu da Espanha, onde não conseguiu grande sucesso atuando pelo Bétis.

Como está? No Al-Jazira, com a camisa 85 e chamado de “Subies” pelo site oficial do time, ele enfrenta uma concorrência pesada no ataque: Fernando Baiano e Ricardo Oliveira também estão lá. 

Mas ele tem moral com o técnico Abel Braga e, assim que voltar, deve receber chances. Além disso, ele estava em uma boa fase no começo do ano, quando colaborou com o vice-campeonato do time na competição nacional.

Vai reaparecer? A última especulação sobre sua volta ao Brasil estava relacionada com o centenário do Corinthians.

A sua proximidade atual com os dirigentes do Inter pode facilitar qualquer negociação, é claro, mas no momento parece que Sóbis está um tanto distante de um retorno. É provável que ele continue escondendo seu bom futebol no fim do mundo por mais algum tempo.

Read Full Post »

TOP 11

Muricy Ramalho não vai para o Palmeiras e agora o time vai correr atrás de um “plano B”, que já deveria exisitir, mas que vai ser criado agora.

Com isso, não faltam especulações. Os repórteres mais próximos da diretoria, como PVC, garantem que Dorival Júnior é o primeiro alvo, mas o próprio presidente Belluzzo não descarta outras possibilidades.

Veja quem são os 11 possíveis “novos Luxas”:

1º) Dorival Júnior
O fato de ter uma história longa no Palmeiras o ajuda, mas só a continuação da crise no Vasco pode convencer o time cruzmaltino a liberá-lo.

2º) Jorge Fossati
O Palmeiras já admitiu mais de uma vez que pensa em um técnico estrangeiro, o que deu força para o nome do experiente ex-goleiro uruguaio e atual técnico da LDU.

3º) Oscar Ruggeri
Antes da negativa de Muricy, o argentino foi recusado, apesar de Belluzzo ter gostado da indicação. A posição do Palmeiras pode mudar sobre o ex-técnico do Lanús.

4º) Jorginho
O interino ainda é tratado só como interino. Mas resultados positivos podem mudar isso.

5º) Abel Braga
Antes da tentativa com Muricy, era um nome especulado. É caro, mas seria um nome de respeito.

6º) Comissão de “notáveis”
Belluzzo já disse que quer pessoas que tenham identidade com o clube, então especula-se que ex-ídolos podem se juntar para treinar o time: Zinho, Velloso, Evair e outros são cotados.

7º) Arce
Tem conseguido relativo sucesso no Paraguai e mantém contato com a diretoria

8º) Silas
Outro que foi fortemente especulado antes da negativa de Muricy. A crise no Avaí pode contribuir com a sua saída.

9º) Cuca
Já jogou pelo clube e corre o risco de ficar desempregado por causa das várias crises no Flamengo.

10º) Nelsinho Baptista
A grande vantagem dele é que está disponível no mercado e em alta, mas há quem diga que a atual diretoria não gosta dele.

11º) Tite
Fernando Carvalho diz que vai segurá-lo, mas, sem resultados, duvido que consiga. Demitido, pode voltar ao alviverde paulista.

Read Full Post »

Older Posts »