Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Carlos Cereto’

 
 “Acho que errei porque não comuniquei à diretoria a decisão de manter o afastamento do Neymar”. Para mim foi essa frase de Dorival Júnior que encerrou quaisquer discordâncias sobre a briga entre ele, a diretoria do Santos e Neymar. Conclusão: foi uma confusão absurda na qual todos erraram feio.

O problema é que alguns comentaristas esportistas e boa parte da opinião pública culparam apenas os dirigentes do Peixe o próprio Neymar por todo esse problema. É evidente que não foi isso. A frase do 1º parágrafo comprova que Dorival também se enganou

José Ilan, por exemplo, defendeu demais o técnico, classificando como “esdrúxula” e “fantasiosa” a versão do clube, que apontava o erro óbvio de Dorival. Já Carlos Cereto escreveu que “nada justifica a demissão do treinador campeão paulista e da Copa do Brasil”. Pois eu entendo que é justificável sim. O presidente Luiz Álvaro Ribeirou sentiu-se traído e, sem confiança, não há parceria que funcione. Normal.

É claro que “o Santos também poderia ter sido mais maleável”, como sugeriu Lédio Carmona. Mas não foi e ainda vai pagar caro por isso. Porém, isso não pode apagar alguns fatos , já que “Dorival Jr. falhou no controle de um grupo de talentos e egos”, como destacou Maurício Noriega.

E mais: PVC escreveu que, se Dorival for para o São Paulo, será um bom desfecho para o técnico. Não concordo. Isso só vai levantar ainda mais as suspeitas de que todos esses erros explicados acima foram uma forçada de barra para sair do Santos. Talvez porque tudo já estivesse acertado com o time do Morumbi.

Afinal, como Vitor Sérgio indicou, “é esquisito Dorival Júnior não brigar pelos R$ 2 milhões da multa recisória”. Enfim, seria uma sujeira feia, mas típica do futebol. Mas agora, de acordo com o mesmo PVC, parece que o São Paulo já descartou a contratação de Dorival. Menos mal!

Ao final, o que mais importa é: como Neymar vai reagir a essa situação? Quais serão as consequências dessa confusão? É claro que, assim como nos dribles, o jovem atacante pode nos surpreender. Porém, todos comentaritas, inclusive eu, concordam que a perspectiva é das piores. Tudo indica que Neymar é quem mais perderá com seu erro e com todos esses erros ao seu redor

 

Read Full Post »

Eu não concordo totalmente com Dunga. Eu não apoio 100% o Dunga. Mas eu entendo os critérios do Dunga. Eu respeito o bom trabalho do Dunga até agora. Sendo assim, prefiro não seguir a linha da maioria dos comentaristas esportivos: criticar, criticar e criticar duramente o Dunga.

É claro que eu discordo de alguns nomes da lista do técnico da Seleção Brasileira. A minha seria bem diferente, basta ver aqui. Mas é preciso reconhecer também os acertos, que não são poucos. Aliás, são a maioria.

O importante é que existem críticas bem feitas, como as de PVC e Paulo Calçade sobre a qualidade do banco de reservas da Seleção na Copa.

Outra análise que precisa ser destacada é a de Felipe dos Santos Souza. Ele cita o problema da “falta de variações táticas contra equipes mais fechadas”. Trata-se de uma dificuldade real, que Dunga terá que corrigir com a sequência de treinos antes da Copa.

Entre as opiniões, existiram até aqueles que já palpitaram sobre o resultado do Brasil na Copa e mostraram otimismo. “O Brasil será bem representado e brigará de igual pra igual pelo título”, arriscou Carlos Cereto. “O Brasil pode voltar da África do Sul com o caneco”, concluiu Alberto Helena Jr.

Só lamento o exagero nas críticas. Exemplos não faltam: “Nunca houve uma seleção tão desprovida de talento como essa”, decretou Lúcio de Castro. “Tecnicamente é o grupo menos talentoso e brilhante da seleção brasileira para um Mundial dos últimos trinta anos, pelo menos”, escreveu André Rocha.

Outros voltaram a reforçar o clamor público por Neymar, Ganso e Ronaldinho Gaúcho. Um assunto chato, já que há meses era óbvio que nenhum deles seria convocado. Eu sempre disse isso aqui e, de certa forma, apoio o Dunga nessa questão. Repito: não concordo 100%, mas entendo. Ele não tem que ser “crucificado” por não levar os 3!

Basta lembrar que, em 2002, quase todos queriam Romário na Seleção. Felipão não o convocou e voltou com o título. Em 2006, quase todos queriam o “quadrado mágico”. Parreira aceitou e voltou com a vergonha. Ou seja, o povo também merece ser chamado de “burro” às vezes. Mas parece que nenhum comentarista quis lembrar disso dessa vez…

Po fim… não discordo totalmente dos comentaristas esportivos. Eu até apoio alguns comentaristas esportivos. Mas eu entendo os critérios de Dunga. Eu respeito o bom trabalho de Dunga até agora. E não acho que ele precise ser execrado. Por enquanto. Pelo menos por enquanto…

Read Full Post »

SALA DE IMPRENSA

A mudança do sistema de pontos corridos para a volta do mata-mata no Campeonato Brasileiro foi um dos principais assuntos desta semana. Juca Kfouri até a apresentou o modelo que a Globo sugeriu.

O Clube dos 13 vai estudar a proposta, Flamengo e Corinthians apoiarão a ideia, mas é tudo que os comentaristas esportistas não querem. Quase todos eles defenderam a manutenção do sistema atual. Quase.

Carlos Cereto, repórter da Sportv – ou seja, da Globo, é claro – escreveu que prefere o mata-mata e apresentou dois argumentos. O primeiro: “Gosto do imponderável, do cheiro de decisão no ar, de jogos decisivos, de uma final para se apontar o campeão”.

Não entendo. Assim como Humberto Peron, da Folha de S. Paulo, que contrapõe: “Agora todas as partidas valem e os times precisam jogar cada partida como se fosse uma decisão”.

É isso: o campeonato por pontos corridos cria ainda mais ‘finais’ e gera uma emoção maior. Ao torcer, você não se preocupa apenas com o jogo do seu time. Outras partidas podem ganhar importância e ter o tal “cheiro de decisão no ar”.

O outro argumento de Cereto é que “a organização (dos clubes) deveria existir independentemente da fórmula de disputa”.

Entretanto, é óbvio que os pontos corridos facilitam essa organização. Afinal, eles premiam, de forma justa, os times mais bem preparados. Há menos injustiça, sorte e espaço para mediocridade.

Ou melhor, como escreve Leonardo Bertozzi: “A volta do mata-mata só interessa a quem é incapaz de montar um elenco sólido o suficiente para superar a maratona da temporada”.

Agora é torcer para o Clube dos 13 não se inspirar em Carlos Cereto e manter o sistema atual de disputa do Brasileirão. Afinal, existem outras maneiras de tornar o campeonato mais interessante. Sugestões não faltam.

Read Full Post »