Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Carlos Pizzatto’

10 razões para explicar uma goleada histórica

Não dá para simplificar o que aconteceu neste domingo. O que o Barcelona fez com o Santos foi um massacre, um chocolate, um baile, um banho, um atropelamento. Enfim, como queira chamar. Mas por que isso aconteceu? É importante entender isso para fazer aquilo que Neymar pediu após o jogo: aprender a lição e evoluir.

E existem várias razões para o show do Barcelona ter acontecido. O Santos errou demais, mas também existem os mérito do time catalão. Tudo isso foi abordado por vários comentaristas esportivos após o jogo. E agora tento resumir as dez razões mais apontadas para o Barcelona ter goleado o Santos por 4 a 0 no Mundial de Clubes. Seguem as opiniões que entraram em campo:

10º) Falta de noção
Por desconhecimento ou falta de profissionalismo, o real poder do Barcelona não foi entendido completamente. Isso não abalou o Santos como um todo, mas certamente houve alguma influência em um ou outro jogador.

Como bem escreveram Carlos Pizzatto e Cassiano Gobbet, partes da imprensa fizeram tentativas de reduzir a dimensão desse genial Barcelona. Comparações absurdas foram feitas e só depois do jogo alguns perceberam que o Barça é um dos melhores times de futebol da história. Tarde demais.

9º) Neymar não jogou
Neymar “não viu a cor da bola” e “a bola não recebeu o devido carinho do craque”. Alberto Helena Jr. tem total razão nessas observações. Se o Santos tinha alguma chance de vencer o Barcelona, dependia de uma grande atuação de Neymar. O que esteve longe de acontecer.

Mas também é preciso enxergar além: caso Neymar tivesse feito uma grande partida, bastaria para vencer? Duvido! Nem um clone de Messi seria capaz de vencer o Barcelona “sozinho”. Por isso outros fatores foram muito mais decisivos para que a goleada acontecesse…

8º) Ganso não marcou
A análise de Leonardo Bertozzi é perfeita: ele lembra que o Real Madrid, acostumado a enfrentar o Barcelona com três volantes, apostou recentemente em manter Özil no meio-campo. Mas o alemão ajudou pouco na marcação e isso contribuiu para que o Barça vencesse.

Algo semelhante aconteceu com o Santos, mas em uma proporção muito maior: Ganso mostrou uma preguiça vergonhosa e fez com que seu time ficasse sempre com um a menos quando se defendia. E perder um atleta na marcação é fatal contra um time que se movimenta tão bem como o Barcelona.

7º) Time ficou apático
Não dá para culpar só Neymar e Ganso. Os outros jogadores do Santos têm uma parcela de culpa. Eles se mostraram apáticos em campo, não sei se por medo ou problemas internos. Mas faltou raça, confiança e comprometimento sim.

“Era preciso marcar, desarmar, lutar pela bola o tempo todo”, escreveu Mauro Cezar Pereira. Foi isso que faltou. Parece que os jogadores entraram conformados com a derrota e os gols aos 20 minutos de jogo só serviram para desanimá-los ainda mais.

6º) Faltou preparação
Desde que ganhou a Copa Libertadores, o Santos não parou de pensar no Mundial. Fez milhões de campanhas de marketing, mas esqueceu-se do principal: era preciso entrar em campo e não fazer feio. Não conseguiu também por causa da diretoria e da comissão técnica.

Como escreveu Marcelo Bechler, “o Santos usava o Brasileiro para não cair, e era um desperdício”. O time brasileiro ficou muito preocupado com a questão física e esqueceu da parte tática. Poupou jogadores no segundo semestre e sequer fez coletivos no Japão, sempre com a intenção de evitar lesões. Mas no final eles ficaram muito mais desgastados, porque só correram atrás do Barcelona.

5º) Faltou estratégia

Muricy errou feio demais

Não deu para entender o que Muricy pediu para seus jogadores. No começo até parecia que o Santos ia pressionar o Barcelona, como sugeri aqui. mas não dá para fazer isso só com os três jogadores da frente. O time todo teria que avançar. Não deu certo e, depois disso, só houve desespero.

“O maior problema do Santos foi não ter uma proposta de jogo. Entrou para marcar o Barça? Ou para tentar atacá-lo? O congestionamento na entrada da área era estratégia? Ou era bololô?”, questionou bem Caio Maia. Milan e Real perderam para o Barça, mas já conseguiram pelo menos alguma estratégia útil para vencê-lo no futuro. O Santos passou longe disso.

4º) Faltou tática
A troca de Léo por Elano foi o grande erro do jogo. Qualquer ignorante percebeu que essa escolha de Muricy atrapalhou demais o time. Com mais jogadores na defesa, o Santos atraiu o Barcelona. E, como escreveu Menon, “trazer aquele toque de bola para perto da área é suicídio”.

Enquanto isso, o Barcelona apenas consolidou ainda mais o seu novo 3-4-3, que muda durante o jogo e mostra influências de Cruyff, como bem destacou Lucas Imbroinise. De fato foi uma aula de tática. E Muricy mostrou que realmente tem muito a aprender nesse sentido…

3º) Diferença de conjunto
Mais importante do qualquer duelo individual ou análises táticas é perceber a diferença entre os conjuntos de Barcelona e Santos. Era bobeira fazer qualquer comparação entre jogadores, porque a força coletiva do time catalão é muito maior. O entrosamento é perfeito, inclusive entre jogadores que entraram agora na equipe, como Fábregas, Thiago Alcântara e Alexis Sánchez.

“O que ficou evidente é que confrontos individuais nem poderiam existir diante de uma diferença técnica coletiva tão grande”, analisou bem Otávio Maia.

2º) Categorias de base
Acima de tudo, foi a vitória de um modelo. Houve um jornalista no Japão, não sei quem, que tentou apontar a diferença financeira como fundamental para explicar a goleada. Ouviu de Guardiola a melhor resposta possível: o Barcelona revela seus principais jogadores. Nem sempre precisa gastar absurdos para contratá-los.

E aí sempre aparecerá um ufanista para lembrar que o Santos e seus “Meninos da Vila” também são frutos de uma categoria de base forte. Para esses apenas recomendo o texto de Pedro Venancio, que explica bem a diferença entre os dois modelos. Os espanhóis formam jogadores com um método elogiável. Os brasileiros improvisam e às vezes dão sorte.

1º) Barcelona
Esse é o maior responsável pelo vexame que o Santos passou. “O Barcelona é um time extraordinário, está fora da curva, é o melhor time do planeta e massacra adversários indiscutíveis há três anos”, resumiu bem PVC.

Pouco interessa se é o Real Madrid, o Manchester United, o Santos, o Fluminense ou o Mogi Mirim. O Barcelona dá a impressão que vai massacrar, dar um banho e atropelar qualquer um. Só nos resta analisar, aplaudir e o mais importante: aprender com ele.

Anúncios

Read Full Post »


O resultado do amistoso da Seleção Brasileira contra Gana já valia pouco antes da bola rolar. Com a expulsão de Opare, ainda no começo do jogo, o placar ficou ainda menos relevante. Por isso é melhor achar outros detalhes para analisar.

Há na imprensa quem prefira comemorar a consolidação de Leandro Damião como o centroavante da Seleção. Há também quem vibre com o fato de Marcelo finalmente ter assumido a lateral-esquerda do time. Mas eu sou chato, admito. Prefiro ver um ponto negativo: a lesão de Ganso, logo no começo do jogo, foi o que mais chamou minha atenção.

Foi neste momento que ficou evidente o maior erro de Mano Menezes desde que assumiu a Seleção Brasileira: ele apostou todas suas fichas em Ganso e nunca conseguiu achar um substituto para o meia do Santos. Testes e oportunidades não faltaram, já que o santista está frequentemente lesionado. Mas Mano fez apostas erradas, queimou alguns jogadores e hoje está perdido, sem saber quem vai ser o armador da seleção. Um problema gigante, já que Ganso não é confiável fisicamente.

Mano e Ganso
Mano confiou demais em Ganso

Contra Gana foi Elias que entrou no lugar de Ganso. Ele não foi mal. Mas forçou o time a passar por uma mudança tática e estratégica, como bem explicaram Eduardo Cecconi e Carlos Pizzatto. Essa alteração não funcionou tão bem, pois precisa de muito treinamento. Além disso, Elias rende melhor como volante, surgindo de trás, em velocidade, de surpresa. Enfim, como resumiu PVC, “Elias entrou bem, mas acelera mais do que cadencia”. Não é de um jogador com essas características que o Brasil precisa.

O que o Brasil precisa é buscar novas opções. Ou insistir em algumas que não foram tão mal. Voltar a convocar Jádson, por exemplo, não seria uma má ideia. Mas eu gostaria mesmo é que Mano inovasse. Renovasse a seleção de verdade, e não ficasse apenas no discurso.

É ridículo falar em renovar um time e depois convocar Renato Abreu, jogador de 33 anos, que vai ocupar o lugar de um jovem que poderia ser testado nesses amistosos contra a Argentina. Elkeson, do Botafogo, seria uma aposta bem mais interessante e coerente.

Não quero colocar o apenas promissor Elkeson como o substituto ideal de Ganso. Na verdade vejo Kaká, por exemplo, como um nome melhor para essa função. Já falei sobre o retorno dele aqui. Como escreveu Lédio Carmona, “Kaká terá que voltar. Está bem no Madrid. Mourinho começa a apostar nele. Sábado, contra o Getafe, será titular na vaga do cansado Di Maria”. É mais um passo para que ele volte logo à Seleção…

Há ainda Hernanes, um volante de origem, mas que tem jogado como meia na Lazio e tem se destacado. Alguns podem lembrar que no São Paulo ele não foi bem quando atuou mais avançado. Mas é precisa entender que os jogadores evoluem e isso aconteceu com Hernanes na Itália. Ele pode sim ser um bom substituto para Ganso.

Em quatro parágrafos apresentei quatro sugestões para Mano Menezes usar no lugar de Ganso. Existem outras e várias são as ideias melhores do que colocar Elias, mudar a tática do time e não aproveitar o melhor desse jogador. Nem espero que o técnico da Seleção siga uma dessas dicas. O importante é que Mano saiba reconhecer seu erro, não repetí-lo e finalmente corrigí-lo. Ou será que já é tarde demais?

Read Full Post »

Neymar deu mais um show, o resultado foi ótimo, a torcida fez a festa e os jogadores se empolgaram após o jogo. Esse é um possível ponto de vista para a vitória do Santos contra o Cerro Porteño por 1 a 0.

O time sentiu a falta de Ganso. Elano foi mal. Zé Eduardo é fraco e está pior que o normal. Rafael teve que fazer um milagre. E o Cerro, além de bem arrumado taticamente, conta com o perigoso Fabbro. Esse é outro possível ponto de vista para a vitória do Santos contra o Cerro Porteño por 1 a 0.

Não é preciso escolher necessariamente um dos dois. Fico com o meio termo e assim evito o oba-oba que muitos comentaristas fizeram por aí. O Santos ainda não está classificado para a final da Libertadores e precisa sim ter atenção contra o Cerro. Ao contrário do que escreveu, por exemplo, Marcelo Bechler, entendo que é possível sim apostar em uma eliminação do Peixe. Não serei eu a apostar, mas… cuidado!

Não trata-se de pessimismo. Na verdade o Santos tem vários motivos para ficar otimista. Há vários retrospectos e históricos que apontam para isso, como destacou Rodolfo Rodrigues.

O problema, bem observado por Vitor Birner, é que “nunca o Santos sentiu tanto a ausência de Ganso”. O problema é que há uma exagerada dependência de Neymar, como lembrou Sérgio Xavier. O problema é que “o jogo do Santos não fluiu” contra o Cerro, como disse Carlos Pizzatto. O problema é que o time paraguaio é bem estruturado taticamente e tem jogadores de qualidade, como mostrou Eduardo Cecconi.

Não são problemas demais para apostar cegamente na classificação do Santos? Creio que sim. E aqui não há vários pontos de vista…

Zé Eduardo
Zé Eduardo não é motivo demais para o santista já ficar preocupado na Libertadores?

Read Full Post »

É incrível como é difícil explicar porque o Colorado conquistou a Copa Libertadores de 2010. Não que faltem razões. Na verdade sobram!

Não basta só falar das boas contratações. Nem da ótima categoria de base. É pouco elogiar os trabalhos diferenciados da diretoria. Não dá para destacar só um jogador. Sequer é possível escolher apenas um técnico como o principal comandante do feito.

Mas fato é que tudo isso junto prova como foi extremamente justo o título do Internacional! Sempre foi meu favorito apontado aqui e analisado de várias formas. Dessa vez, através dos melhores textos publicados por aí, tento compreender e explicar melhor essa conquista…

  • Carlos Pizzatto fez um post pertinente no qual ele destaca dois jovens jogadores do Inter que merecem chance na Seleção Brasileira desde já. Clique aqui e leia mais.
  • Luiz Augusto Lima comentou sobre Celso Roth, que com certeza é um importante personagem dessa história. Não concordo que ele já seja “um dos grandes” técnicos do Brasil, mas começa a se tornar. Clique aqui e leia mais.
  • Mauro Betting fez uma retrospectiva da história recente do Inter e lembrou até de Mahicon Librelato, um herói que tem tudo a ver com o sucesso atual do Colorado. Clique aqui e leia mais.
  • Paulo Calçade elogiou um dos principais diferenciais do Inter, que é o seu programa de sócio-torcedor, algo que ninguém tem igual no Brasil. Clique aqui e leia mais.
  • PVC lembrou de times base do Inter em anos passados e destacou um importante segredo do sucesso gaúcho. Clique aqui e leia mais.

Read Full Post »

Se o mundo fosse um lugar ideal seria legal apoiar as sugestões de Mauro Cezar Pereira e Flávio Gomes: ambos imaginaram como seria interessante se os técnicos cogitados para substituir Dunga na Seleção Brasileira se recusassem a assumir o cargo.

No entanto, é totalmente improvável que isso aconteça e o melhor a fazer é estudar quais dessas opções são as mais interessantes para ficar com a bomba de evitar um novo Maracanazzo a todo custo. É o que tento analisar abaixo, com a lista dos 11 treinadores que podem assumir o Brasil a partir de agosto:

1) Felipão
É o nome mais óbvio e mais citado. Por isso causa tanta polêmica. Vitor Birner, Cassiano Gobbet e José Ilan o citaram como melhor opção. Já Ubiratan Leal e Mauro Cezar Pereira levantaram questionamentos e desconfianças.

Pois eu concordo mais com o primeiro grupo, mas não acredito que Felipão aceitará o desafio. Afinal, tem pouco a ganhar: caso ele vença a Copa, dirão que ele só fez sua obrigação. Caso perca, queimarão tudo de bom que ele realizou em 2002.

2) Mano Menezes
Alberto Helena Jr. e Carlos Pizzatto disseram preferir o técnico do Corinthians no comando da Seleção. Quase me convenceram a concordar com isso, admito.

É um técnico que já foi muito elogiado aqui, mas também teve grande parcela de culpa pelo fracasso alvinegro na Copa Libertadores. Ainda parece não estar pronto, mas pode dar certo.

3) Leonardo
A Seleção precisa de um coordenador e talvez o nome ideal para esse cargo seria o de Leonardo, como eu já tinha comentado no twitter. Com experiência em cargos administrativos, bom relacionamento com a imprensa e conhecimento do futebol internacional, ele aliviaria a pressão do técnico do Brasil para 2014.

Porém, como treinador, sua contratação seria um erro. Seu trabalho no Milan foi apenas razoável e ele ainda é inexperiente. Talvez assuma como tapa-buraco para que alguém melhor venha em 2012, mas é um grande risco.

4) Vanderlei Luxemburgo
Há quem ainda veja nela um ‘técnico top’, mas só consigo enxergar sua decadência nos últimos anos. Luxa já teve sua chance na Seleção e a desperdiçou, até por questões extra-campo.

Agora, com seu especulado envolvimento exagerado com o pôquer e fracassos seguidos em clubes grandes, como Palmeiras e Santos, não é a hora de dar nova oportunidade para ele.

5) Muricy Ramalho
Existem notícias e comentários que o especulam para o cargo, mas duvido que a CBF o contrate. Afinal, mais do que nunca a entidade precisa de um bom relacionamento com a imprensa (leia-se Globo) e Muricy definitivamente não prima por isso.

6) Paulo Autuori
Seu nome tem sido pouco cogitado na imprensa, até porque ele ainda está no futebol do Catar, mas ele tem bastante do perfil que a CBF procura e é um candidato com grandes chances.

Veja bem: candidato com chances não é candidato bom. São coisas diferentes. O último trabalho razoável de Autuori foi em 2005, no São Paulo, e ainda assim com ressalvas. Enfim… não gosto da ideia, mas já começo a me acostumar com ela.

7) Ricardo Gomes
A ida do técnico do São Paulo para a Seleção tem sido razoavelmente especulada e sem dúvidas ele é outro que tem um perfil interessante na visão da CBF. Mas…

Como bem lembrado por Marcelo Barreto, é preciso sempre destacar que, como técnico específico da seleção olímpica, ele não conseguiu sequer classificar a geração de Diego e Robinho aos Jogos de 2004, em Atenas.

8) Dorival Júnior
O bom trabalho que ele tem feito no Santos passou a credenciá-lo como técnico de nível de Seleção, mas a verdade é que ele ainda está distante disso.

Aliás, o próprio Dorival admitiu que há gente mais capacitada do que ele. Concordo. E é preciso destacar que essa declaração só mostra como ele é inteligente, tem potencial e ainda pode vir a ser um treinador do alto escalão brasileiro no futuro.

9) Falcão
Uma entrevista recente de Ricardo Teixeira, no qual ele falou sobre renovação, fez com que o nome do comentarista fosse especulado. O presidente da CBF lembrou que Falcão trouxe novos nomes para a Seleção após a copa de 1990, mas “foi sacrificado”.

No entanto, é preciso lembrar, como fizeram Ubiratan Leal e Dassler Marques, que esse discurso de Teixeira não deve ser posto em prática, infelizmente. E, dessa forma, acabarão as chances de Falcão virar de novo o técnico do Brasil.

10) Abel Braga
É um técnico experiente e vencedor, que lembra o estilo de Felipão. Por isso já foi cogitado na imprensa. Mas o fato é que seu melhor momento já passou, atualmente ele está esquecido e dificilmente será convidado.

11) Caio Júnior
É brincadeira do Zagallo neh?!!!

Até o Joel Santana disse que pretende entrar nessa festa. Mas aí a brincadeira passa dos limites…

Read Full Post »

A vitória da Seleção Brasileira contra a Irlanda trouxe três tipos de comentários na imprensa: vários apontaram pontos fracos no time de Dunga, outros preferiram elogiar Daniel Alves e ainda tiveram aqueles que insistiram em pedir a presença de Ronaldinho Gaúcho na Copa do Mundo. Observemos:

Os ponto fracos
Os defeitos da Seleção são conhecidos de longa data. A fragilidade no setor esquerdo do time, com Robinho, Felipe Melo e um lateral improvisado, sempre preocupam. Dessa vez foi Vitor Birner quem destacou esse problema.

Outras questões estão mais relacionadas ao ataque: enquanto Leonardo Bertozzi reparou na “armação de jogo lenta e previsível” do time, Paulo Calçade comentou sobre o fato da Seleção praticamente só contra-atacar no primeiro-tempo do jogo.

Como concluiu Lédio Carmona, “gostaria de ver muito mais do que o padrão médio de exibição do Brasil de Dunga”. Assino embaixo.

Ronaldinho Gaúcho
Nem a vitória da Seleção fez com que os pedidos pela presença de Ronaldinho Gaúcho diminuíssem. O atacante do Milan foi assunto para PVC, Calçade, Bertozzi, Maurício Noriega e outros.

Já alguns preferiram enxergar o que parece cada vez mais claro para mim também: pouco adianta insistir, o Gaúcho não será convocado por Dunga. Lédio Carmona e Carlos Pizzatto, por exemplo, já desistiram dessa questão. Infelizmente, eles estão certos.

Daniel Alves
O lateral do Barcelona mais uma vez entrou bem no segundo tempo, jogando no meio-campo. O pedido agora é para que ele seja titular nessa posição.

Os argumentos vão desde o fator bola parada até o fato de que isso abriria uma vaga na Seleção, já que Elano ou Ramires seriam dispensáveis. Mas o melhor comentário ficou por conta de Vitor Sérgio:

“O meu medo é que o pedido de Daniel Alves como titular vire uma unanimidade. Pelo que já vimos, quando existe esse clamor é quase uma certeza de que Dunga não atenderá”. Perfeito!

Read Full Post »

  • Carlos Pizzatto desenha como ficaria o Barcelona se a contratação excepcional de Fàbregas acontecesse. Clique aqui e leia mais.
  • José Antonio Lima destaca a atitude do ex-jogador Lilian Thuram, que disparou contra o racismo da sociedade italiana recentemente. Clique aqui e leia mais.
  • PVC comenta sobre um atacante sérvio que tem se destacado na Europa e jogará pelo Liverpool na próxima temporada. Clique aqui e leia mais.
  • Sérgio Xavier comenta sobre um velho assunto que voltou à tona agora: o preconceito absurdo de alguns são paulinos com Richarlyson. Clique aqui e leia mais.
  • Thiago Barretos detalha o surpreendente time atual do Botafogo-SP e tenta dizer se o time pode ir longe no Campeonato Paulista ou não. Clique aqui e leia mais.

Read Full Post »

Older Posts »