Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Diego Cavalieri’

Acabei de comprar o Guia do Campeonato Brasileiro de 2022. Cheguei em casa, comecei a ler, mas logo meu filho e seus amigos me cercaram. Disputaram para ver as página dos seus times, mas eu queria ver os arquivos e as estatísticas, como sempre fiz. Demorou mais de 20 minutos para isso, mas consegui. E no fim eles também se interessaram – queriam saber detalhes dos antigos campeões…

Contei a eles o que minha memória permitiu. Comecei pelo histórico Flamengo campeão de 1992, passei pelo bicampeonato do Palmeiras-Parmalat e destaquei o Túlio no título do Botafogo em 1995, sem citar as polêmicas, para não desencantar os meninos.

Em 96, lembrei da pequena gigante Portuguesa, apesar do título do Grêmio. Em 97, impossível não destacar Edmundo na conquista do Vasco. E logo veio o bi do Corinthians, com questionáveis parcerias, mas inquestionável qualidade.

Expliquei que a partir de 2000 era melhor esquecer de alguns campeões. Chamei atenção para o Santos de 2002 e 2004, com os novos Meninos da Vila; e também para o Cruzeiro de 2003, de Alex, Luxemburgo e companhia. Mas logo veio o polêmico título corintiano em 2005 e as pouco encantadoras conquistas do São Paulo em 2006, 2007 e 2008.

Em 2009 falei de Adriano e Petkovic. Em 2010 lembrei de Conca. Mas em 2011 não tinha um destaque individual, só um forte conjunto corintiano, que depois seria campeão da Libertadores. Quis continuar, mas travei em 2012.

“Por que, pai? Como você lembra de todos de antes e esquece desse? Não faz nem 10 anos”, me lembrou meu filho, esperto e bom em matemática – “deve ter puxado para a mãe”, pensei, antes de continuar me esforçando para lembrar do Fluminense campeão de 2012.

“Primeiro é preciso lembrar da Unimed. Eles tinham uma parceria que trazia muito dinheiro para o clube”, comecei. “Mas então eles tinham vários craques, como o Palmeiras de 93-94 ou o Corinthians de 98-99?”, perguntaram.

Fluminense campeão/ Fernando Borges/ Terra

“Time de guerreiros”

“Não, o Fluminense não tinha grandes craques. Tinha jogadores muito bons, como Fred, Thiago Neves, Jean e Diego Cavalieri”, comentei em vão – nenhum deles brilhou pela Seleção Brasileira ou na Europa, então os meninos pouco sabiam quem eram. Só conheciam Wellington Nem, que ainda joga até hoje, apesar de ter perdido o que era seu ponto forte, a velocidade.

Eles continuavam sem entender nada. Apelei para a defesa, disse que o time tomava poucos gols. Mas meu argumento caiu quando disse que os zagueiros eram  os esforçados Gum e Leandro Euzébio. Diego Cavalieri fez defesas incríveis, mas os meninos eram novos demais para acreditar em milagres.

Estava cada vez mais difícil. Citei Abel Braga e isso ajudou, já que ele tinha grande currículo e foi importante para a tática do time. Mas era exigir demais o entendimento de como funcionou o 4-2-3-1 do Fluminense naquela época.

Então desisti. Parti para o Campeonato Brasileiro de 2013, era mais fácil – eles eram fãs do Neymar e rapidamente entenderam como o Santos foi campeão naquele ano.

Mas fiquei com aquela dúvida na cabeça. “Como o Fluminense foi campeão em 2012?”. Foi preciso refletir um pouco mais para entender: não há apenas um motivo que explique. É uma conjunção de fatores e foi isso que fez o título tricolor ser tão justo naquela temporada.

Read Full Post »

Três falhas seguidas e um aviso: o futebol paulista está carente de goleiros. Julio César, Deola e Dênis erraram na fase decisiva do Estadual e trouxeram essa preocupação. Mas na verdade é apenas um um pequeno sinal de um problema muito maior: o futebol brasileiro está carente de goleiros. Esse aviso já pode ser feito inclusive à Seleção.

Depois de fazer poucos testes no começo do seu trabalho, Mano Menezes tem apostado em Julio César, da Inter de Milão-ITA, para ser o titular da posição. Mas ele já foi criticado e sempre surge a pergunta: se não for ele, quem será nosso goleiro na Copa de 2014? Por isso o Opiniões em Campo listou os 7 melhores jogadores para a posição. Confira:

7º) Diego Cavalieri (Fluminense)
Não voltou bem da Europa e domorou para se firmar. Mas antes disso, era um grande goleiro no Palmeiras e tem mostrado que não desaprendeu. Tem reflexo e agilidade de sobra para defender a Seleção. Só precisa de mais experiência

6º) Rafael (Santos)
Tem ganhado elogios por ser o melhor goleiro dos times paulistas. É bastante seguro, falha pouco e provavelmente disputará a Olimpíada, o que será um teste fundamental para mostrar que pode ser goleiro da Seleção

5º) Jefferson (Botafogo)
Talvez seja o reserva que tenha mais moral com Mano Menezes, até porque foi o goleiro mais convocado até aqui. Ainda vejo limitações técnicas em seu estilo de jogo, mas costuma fazer defesas incríveis e pode ganhar mais oportunidades em breve

4º) Fábio (Cruzeiro)
É o mais injustiçado dessa lista. Criou fama de frangueiro no começo da carreira, mas já evoluiu há anos e nunca ganhou os devidos créditos por isso. Com o Cruzeiro em má fase, ele tem trabalhado bastante e mostrado que poderia ser convocado mais vezes

3º) Victor (Grêmio)
Vinha em livre ascenção até viver um inferno atral no ano passado. Victor falhou diversas vezes, como nunca antes. Isso lhe deixou abalado, mas aos poucos ele se recuperou. Resta saber se isso não acabou com a confiança que Mano tinha nele

2º) Julio César (Inter de Milão-ITA)
Está muito desgastado porque viveu fase ruim na Inter de Milão e principalmente por causa de falhas marcantes na Seleção Brasileira. Mas ainda é sim um grande goleiro, com o bônus da experiência. Não acho que mantê-lo como titular seja um absurdo…

1º) Diego Alves (Valencia-ESP)
Mas chegou a hora de testar algo novo e diferente na Seleção Brasileira. Diego Alves é o nome certo para isso. Ele conseguiu ter uma carreira ascendente na Europa e, mais do que pênaltis, tem a técnica que pouquíssimos goleiros brasileiros têm atualmente

O pior problema é que as opções praticamente param por aí. Não há mais do que sete goleiros selecionáveis no Brasil atualmente. Dentro do País só exitem mais alguns nomes de pouca confiança e muita irregularidade, como Felipe (Flamengo) ou Fernando Prass (Vasco). Fora do Brasil, no máximo existem os medianos “portugueses” Artur Moraes (Benfica-POR) e Hélton (Porto-POR), além de Gomes, que virou reserva no Tottenham-ING.

O aviso está dado: precisamos de uma nova geração de goleiros urgentemente.

Falta 1 nome para a camisa 1

Falta 1 nome para a camisa 1

Read Full Post »