Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Felipão’

A saída de Mano Menezes da Seleção Brasileira já foi bastante discutida. É praticamente unânime: foi a decisão certa na hora errada. Faria sentido demitir Mano depois da Copa América ou da Olimpíada de Londres. Não agora, quando o trabalho estava em evolução. Muitos comentaristas seguiram essa linha ao comentar o assunto, como Arnaldo Ribeiro e Fabio Chiorino. Há também quem acredite em motivações políticas para justificar a decisão, como Menon e Sergio Xavier. Não duvido.

Mas o leite está derramado e não adianta chorar. É preciso olhar para frente e ver quem deve assumir o cargo. Inclusive já foi criada praticamente uma campanha para que Pep Guardiola seja o novo técnico do Brasil – além do pedido de comentaristas, como Lédio Carmona e Antero Greco, houve até uma carta aberta feita pelo Lance!, neste domingo. É evidente: seria no mínimo interessante ver o espanhol no comando do Brasil.

Mas permitam-me ser pessimista: duvido que Guardiolá vá assumir a Seleção. O diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez, tem repetido que não quer um estrangeiro no comando. É claro que o ex-presidente corintiano está com menos poder agora, mas vejo José Maria Marin com o mesmo pensamento – retrógrado e conservador, ele jamais vai aceitar que um espanhol treine a Seleção na Copa do Mundo que acontecerá no Brasil. Para eles seria uma afronta, não uma revolução.

Além disso, firmo meu pessimismo em outro raciocínio: a CBF jamais demitira Mano agora, sem um grande motivo, se não tivesse outro técnico de ponta engatilhado. E no momento parece óbvio: Felipão é a carga na manga de Marin. Sem clube, ele já poderia ter acertado ou pelo menos negociado com outros times de ponta, como Grêmio e Inter, além de clubes do exterior. Mas provavelmente se resguardou porque tem a certeza de que vai assumir a Seleção. Com uma ressalva.

Mas é claro que há uma ressalva: afinal, se Felipão estivesse 100% confirmado, poderia ser anunciado agora, não em janeiro apenas. O que fez a CBF adiar esse anúncio é o “fator Tite”. Explico – o técnico do Corinthians é competente, tem estilo que agrada à CBF, quer assumir a Seleção e está em alta. Porém, vai disputar o Mundial de Clubes em dezembro. É preciso esperar o que vai acontecer no Japão para que a CBF tome a última decisão.

Caso o Corinthians vença, Tite estará elevado ao nível de Deus entre os corintianos e será cada vez menos contestado por outras torcidas. Aproveitará para sair em alta do time paulista e irá direto para a Seleção, tomando o lugar que seria de Felipão. Caso perca, continuará bem no Corinthians e deixará o lugar aberto para seu companheiro gaúcho, que já está conversado com a CBF.

É claro que tudo isso é observação e análise, não informação. Mas parece muito mais realista do que imaginar que Guardiola vá assumir a Seleção às vésperas da Copa de 2014…

Me surpreenda, Marin.

Read Full Post »

A boa notícia é para o São Paulo, que finalmente se encontrou e mostrou que pode lutar pelo título do Campeonato Brasileiro. A má notícia é para o Palmeiras, que provou de vez que vai lutar contra o rebaixamento até o final do Campeonato Brasileiro. Estas conclusões sobre os times paulistas foram as principais lições que saíram da 20ª rodada, mas vamos por partes.

Primeiro o Palmeiras: é inegável que o título da Copa do Brasil acabou prejudicando o time – por causar um relaxamento natural e por  ter feito vários jogadores chegarem ao limite físico. Essas lesões que vieram depois também comprometeram, até porque o elenco comandado por Felipão é fraco. Mas é preciso deixar algo bem claro: a expectativa do Palmeiras sempre foi de ficar na parte de baixo da tabela.

Antes do Brasileirão começar, a situação do Palmeiras foi descrita no Opiniões em Campo como “com medo de lutar contra o rebaixamento”. E essa deveria ter sido a preocupação do time desde o começo, até porque a posição na tabela sempre indicou isso também. Mas internamente houve uma ilusão de que o “campeão do Brasil” sairia da degola facilmente, quando quisesse, quando estivesse afim, quando fosse necessário.

Pois agora é necessário, mas o time simplesmente não consegue. Exatamente porque falta qualidade. Basta olhar setor por setor… não há sequer um zagueiro seguro, já que Henrique foi transformado em volante. A saída de jogo nos pés dos volantes, que sempre foi um problema, está ainda pior. No setor de criação existe apenas o pouco confiável Valdivia. E no ataque faltam jogadores de velocidade para fazer companhia a Barcos – Maikon Leite e Luan estão lesionados, mas também não são soluções.

Com esse elenco, turbinada pela contratação bombástica de Tiago Real, o Palmeiras vai lutar contra o rebaixamento até o fim. Pode se livrar, porque existem outros candidatos tão dispostos quanto ele a cair. Mas será uma batalha que ainda vai durar até dezembro.

Já do outro lado do muro a situação é oposta: o São Paulo tem mostrado a cada rodada que vai brigar pelo título do Campeonato Brasileiro. Já foram três vitórias seguidas e mais do que isso: Ney Franco está encontrando um time ideal para escalar, com a formação tática correta e guardando algumas boas opções para o banco.

Ainda é um time que depende demais de Jadson, Lucas e Luís Fabiano para funcionar. Mas a fase dos três é boa e eles podem empurrar o São Paulo para a briga pelo ponta. A liderança de Rogério Ceni também fez diferença, mas nada é tão fundamental quanto manter esses trio jogando bem. As características deles se completam perfeitamente e estão cada vez mais entrosados.

Em um Campeonato Brasileiro que segue aberto, já que o Atlético-MG não parece pronto para consolidar seu domínio, o São Paulo pode se aproveitar e entrar na briga junto com Fluminense e Grêmio. O Vasco está na frente, mas isso parece apenas uma questão de tempo. Em breve o São Paulo vai dormir e acordar no G-4, já sonhando com a liderança.

Read Full Post »

Cego pelo título e empolgado pela festa, o palmeirense pode até tentar negar, mas é fato: o time de Felipão era o pior entre os quatro semifinalistas da Copa do Brasil. Grêmio e São Paulo têm elencos melhores, principalmente no ataque. E o Coritiba, mesmo sem estrelas, era melhor taticamente. O Palmeiras só é competitivo por causa das bolas paradas de Marcos Assunção. Como pode um time tão fraco ser campeão?

E o cenário era ainda pior por causa de alguns acontecimentos absurdos. Olhando para trás, lembramos da contusão de Wesley, que só foi contratado para virar desfalque. Mais para frente, teve o sequestro de Valdivia, que se recuperou, mas depois foi expulso na primeira final. Aliás, na decisão surgiram mais dificuldades: Barcos teve uma apendicite e Henrique acordou com febre na quarta-feira decisiva. Como pode um time tão azarado ser campeão?

E não era só azar. No mesmo dia em que o Corinthians foi campeão da Libertadores, na véspera do jogo de ida contra o Coritiba, surgiu a notícia de uma briga entre dirigentes palmeirenses. Verdade ou não, é um símbolo de como funciona o ambiente palestrino. Mesmo na maior das festas, pode surgir a maior das confusões. Sempre há alguém torcendo contra, mesmo que esteja do mesmo lado. São palmeirenses que não querem o melhor para o Palmeiras. Não tente entender. Apenas reflita: como pode um time ser campeão com um ambiente assim?

E ainda existem outros poréns. Vale lembrar que o Palmeiras está sem estádio. Foi jogar em Barueri, fora da capital paulista. Vale lembrar que o Palmeiras estava pressionado por tantos fracassos vergonhos recentes. E, acima de tudo, vale lembrar que o Palmeiras superou tudo isso. Como? Não é fácil explicar. Mas é necessário valorizar.

Todas essas dificuldades citadas acima só aumentam o valor do título do Palmeiras. Se antes diziam que ele estava virando um time pequeno, agora ele mostrou como é gigante. A camisa pesou. A tradição fez diferença. E os jogadores se superaram. Nada mais explica esse título. Porque o Palmeiras realmente não deveria ter sido campeão. Mas brigou o bastante para ser o campeão com mais justiça. E não há nada mais bonito no futebol do que um título justo e bem entregue.

Não deveria. Mas foi justo demais

Não deveria. Mas foi justo demais

Read Full Post »

Um goleiro que falha em uma final do Mundial de Clubes não pode ser realmente bom. Um jogador que troca o Arsenal pela Série B brasileira não deve bater bem da cabeça. Um atleta que vence no futebol com honestidade, integridade e cárater simplesmente não existe. Um ídolo do Palmeiras jamais pode conquistar o respeito de boa parte dos corintianos.

Todas frases acima fazem sentido. Mas nenhuma delas é real quando falamos de São Marcos. Com ele tudo é possível. Dentro de campo ele fez milagres e se consagrou. Fora dele, foi uma exceção em um futebol cada vez mais sujo.

Pois nesta quarta-feira foi anunciada a aposentadoria de São Marcos. Com isso, acabou uma Era no Palmeiras. Um período de tempo com poucos títulos, mas com o mais importante deles: a Copa Libertadores de 1999, em que o melhor jogador da competição foi exatamente o milagreiro verde.

Desde então, os anos palmeirenses foram terríveis e tudo só piorou com a notícia desta quarta. Sem Marcos, o Palmeiras fica sem ídolo, sem identidade e com a sensação de que tudo sempre pode piorar. Se o ano passado foi ruim, não é difícil prever que 2012 será ainda pior. E não é só por causa da saída de Marcos, claro…

A falta de reforços, tão criticada pela torcida, é um dos problemas. Mas a eterna crise no Palestra Itália vai além. Passa pela comissão técnica, já que Felipão parece ser incapaz de fazer um grande trabalho; esbarra na falta de comunicação com a diretoria, que pode até ser resolvida em parte por César Sampaio; chega na diretoria e na presidência, cada vez mais omissa; e acaba no momento político, já que até Mustafá Contursi é especulado como possível sucessor de Arnaldo Tirone como presidente do clube.

Com tantos problemas, é difícil apostar que em campo os jogadores terão tranquilidade para fazer algo de bom. Como se não bastasse, parte da torcida ainda piorou tudo, com protestos e uma faixa homofóbica logo no primeiro dia de trabalho de 2012.

Tudo isso só ensina uma coisa: é importante demais que o torcedor reverencie a história e a carreira de São Marcos. Valorize seu passado, palmeirense. Pois o futuro será de sofrimento.

O Palmeiras tem muitos motivos para chorar

Read Full Post »

Não é só mais uma história de um jogador agredido pela torcida.

Não é só mais um time que perdeu todas chances no Brasileirão.

Não é só mais um conflito entre técnico e jogadores.

A agressão a João Vitor e todas suas consequências são símbolos de como está mal o Palmeiras atualmente – um time de passado recente nebuloso, momento atual vergonhoso e o pior de tudo: com um futuro que não traz perspectiva alguma de melhora.

A primeira consequência do caso João Vitor é óbvia: o Palmeiras não tem mais qualquer chance no Campeonato Brasileiro. Na verdade só não será rebaixado porque faltam poucos pontos para se livrar disso, aproximadamente quatro em trinta possíveis. Mas sem dúvidas será um parto para esse elenco arrancar essas migalhas nos próximos jogos.

A segunda consequência já estava desenhada: Felipão não deve ficar no Palmeiras em 2012. Mesmo antes dessa confusão explodir, sua saída já era esperada. Logo ele, conhecido por criar famílias por onde passa, tem enfrentado uma rejeição muito forte no clube que é ídolo. Parte da diretoria tem criado dificuldades para ele, por causa do seu alto salário, e vários jogadores não o suportam mais. Enfim, sua permanência para 2012 seria uma surpresa e até uma saída imediata pode acontecer.

A terceira consequência só tende a agravar os anos de crise no Palmeiras. Afinal, ficará difícil para o time contratar qualquer jogador a partir de agora. Vágner Love certamente lembra que essa não é a primeira vez em que um atleta do time é agredido pela torcida. Com a reincidência qualquer um pensará mil vezes antes de assinar um contrato com o Palmeiras.

Por fim, a última consequência, mas a mais importante: o caso João Vitor expõe de vez toda a bagunça que é o Palmeiras. É um absurdo o time não ter respaldado seu treinador a ponto dos jogadores gerarem uma rebelião contra ele. Mas isso só aconteceu porque não há ninguém com moral que trabalhe essa relação entre jogadores e técnico. Dessa forma, o atrito entre as duas partes era inevitável.

Só que o problema do clube vai além desse caso específico. A situação política do Palmeiras beira o inacreditável. Quando saiu a notícia da agressão de João Vitor, houve quem suspeitasse até que seria algo encomendado para gerar desunião na torcida, que tem se juntado para fazer um movimento pela democracia do clube.

E pouco importa se isso é verdade ou não, se é imaginação demais ou não. O fato é que algo tão absurdo, uma agressão encomendada para fins políticos, jamais poderia sequer ser cogitada. O fato dessa hipótese ser considerada mostra como o cenário político palmeirense é perigoso, parecido mesmo com uma máfia, como o próprio Felipão já comparou. E o pior é que o presidente Tirone é um iludido e parece não enxergar toda essa situação, que é tão óbvia até para quem olha de fora.

Com tantas consequências, fica claro que esse não é só o caso de um João qualquer. É o caso de um clube que foi agredido, espancado, mal tratado e agora agoniza em estado terminal. E dessa vez parece que só um milagre pode salvá-lo. Como tem sido dito nos corredores do Palestra Itália, rezar talvez seja a única solução.

João Vitor agredido

João Vitor não apanhou sozinho. O Palmeiras sangra junto...

Read Full Post »

Quando saiu a convocação da Seleção Brasileira só com jogadores que atuam no país, resolvi dar pouca atenção para isso. Apesar do jogo ser contra a Argentina, pouco valia. Nem fiz post aqui no Opiniões em Campo. O assunto merecia no máximo um comentário no twitter do blog. Lá escrevi que Renato Abreu e Cícero eram as únicas bizarrices da lista e os outros eram apenas discutíveis. Ponto final.

Mas depois do jogo desta quarta, fui forçado pelo Mano Menezes a escrever algo mais. Afinal, ao escalar o bizarro Renato Abreu como titular da Seleção, ele mostrou algo que preocupa de verdade: o técnico do Brasil está completamente perdido em seu cargo. Ele já deu indícios disso em outros jogos, mas o fator Renato Abreu foi a prova final.

Renato Abreu com a camisa da Seleção

Renato Abreu na Seleção. Quem diria?!

Não é minha intenção jogar a culpa do empate e do jogo ruim no “coitado” Renato Abreu. Ele realmente jogou mal e até escrevi sobre a atuação ruim dele e de outros no iG Esporte. Mas a questão é muito maior e envolve todo o projeto da Seleção. Explico…

Ao apostar em um meia de 33 anos, Mano deixou de dar a oportunidade para vários jovens que poderiam ser testados em seus lugares. Meias com idade olímpica inclusive, como Oscar, Lucas e Elkeson, por exemplo. Mas o técnico preferiu Renato Abreu e jogou fora o primeiro princípio que dominava seu discurso há um ano atrás: a renovação da Seleção.

Mano não tem conseguido renovar absolutamente nada! E não venham me falar de Neymar e Ganso, pois escalar esses jogadores era sua obrigação. O problema é que frequentemente ele opta pela experiência ao invés da juventude, em várias posições. Tudo isso é desespero? Parece que sim…

Na defesa, por exemplo, Mano tinha uma dupla jovem e forte para manter até a Copa de 2014, Thiago Silva e David Luiz. Mas agora tem apostado em Lúcio, que já está em decedência na carreira e provavelmente não chegará bem para o Mundial no Brasil, daqui a três anos.

A volta de Ronaldinho Gaúcho tem o mesmo problema, mas no setor ofensivo o maior erro é com Lucas, do São Paulo. Mano o convoca para ficar no banco de reservas. Até do Renato Abreu! O técnico enxerga o são paulino como atacante, como reserva de Neymar. Mas esquece que ele surgiu como meia e pode perfeitamente fazer essa função. Pior do que o Renato Abreu não será…

Por essas e outras é que vejo Mano Menezes perdido em seu cargo. Ele não sabe se deve priorizar o projeto olímpico e a tão anunciada renovação ou se é melhor buscar os resultados, que não conseguiu até agora, com os “velhos” de sempre. E no meio dessa confusão Mano tem ficado longe de achar um time para a Copa, muito longe.

Dessa forma, parece mesmo que a saída de Mano Menezes está pronta. A não ser que um milagre olímpico o salve, tudo parece desenhado para que Felipão assuma seu lugar até a Copa. E haja “Família Scolari” para salvar o Brasil de um trabalho tão mal feito!

Read Full Post »

Contratado sem alarde, vindo de um time menor, ele não impressionou tanto nos primeiros jogos. Teve atuações irregulares, até mostrou que poderia ser útil, mas nunca convenceu como titular. As vaias logo vieram, mas o técnico insistiu em utilizá-lo. De repente, quando começou o Brasileirão 2011, tudo mudou. Com boas atuações consecutivas, ele honrou o irônico apelido em referência a Messi, o melhor jogador do mundo atualmente.

Tanto Marlos, do São Paulo, quanto Luan, do Palmeiras, viveram tudo que foi descrito acima. “Lionel Marlos” e “Luanel Messi” sempre foram criticados, mas cresceram de produção nos últimos jogos, foram decisivos e finalmente calaram as vaias das suas torcidas. São destaques do líder e vice-líder do Brasileirão, respectivamente.

Luanel Messi/ Verdazzo.com.br
A brincadeira é muito boa. O problema é se no time levarem ela a sério…

Então só há motivo para festa, certo? Errado! É preciso tomar cuidados para não se iludir. Explico…

Marlos não pode ser titular absoluto do São Paulo. Ele não tem bola para isso. É claro que no momento, com a confiança que adquiriu, o correto é escalá-lo assim. Mas o São Paulo futuramente terá Luis Fabiano para o ataque e é melhor Carpegiani já imaginar como montará o time com um centroavante mais fixo.

Luan também não pode ser titular absoluto do Palmeiras. Ele também não tem bola para isso. É claro que no momento, com a confiança que adquiriu, o correto é escalá-lo assim. Mas seu contrato só é válido até julho e, mesmo que renove, o ideal seria mudar o time, de preferências com reforços. Sem contratações, ainda dá pra contar com o retorno de Valdivia futuramente para montar um time com dois meias, Kleber e um centroavante (Wellington Paulista ou Dinei).

Enfim, o importante é perceber isso: brincadeiras à parte, apelidos divertidos à parte, Marlos e Luan não podem ser superestimados por causa dessa boa fase atual. Eles são soluções a curto prazo, mas para o futuro é preciso contar com mais do que isso. Os Messis brasileiros precisam voltar ao papel de coadjuvante em seus times.

Read Full Post »

Older Posts »