Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘josé maria marin’

A saída de Mano Menezes da Seleção Brasileira já foi bastante discutida. É praticamente unânime: foi a decisão certa na hora errada. Faria sentido demitir Mano depois da Copa América ou da Olimpíada de Londres. Não agora, quando o trabalho estava em evolução. Muitos comentaristas seguiram essa linha ao comentar o assunto, como Arnaldo Ribeiro e Fabio Chiorino. Há também quem acredite em motivações políticas para justificar a decisão, como Menon e Sergio Xavier. Não duvido.

Mas o leite está derramado e não adianta chorar. É preciso olhar para frente e ver quem deve assumir o cargo. Inclusive já foi criada praticamente uma campanha para que Pep Guardiola seja o novo técnico do Brasil – além do pedido de comentaristas, como Lédio Carmona e Antero Greco, houve até uma carta aberta feita pelo Lance!, neste domingo. É evidente: seria no mínimo interessante ver o espanhol no comando do Brasil.

Mas permitam-me ser pessimista: duvido que Guardiolá vá assumir a Seleção. O diretor de seleções da CBF, Andrés Sanchez, tem repetido que não quer um estrangeiro no comando. É claro que o ex-presidente corintiano está com menos poder agora, mas vejo José Maria Marin com o mesmo pensamento – retrógrado e conservador, ele jamais vai aceitar que um espanhol treine a Seleção na Copa do Mundo que acontecerá no Brasil. Para eles seria uma afronta, não uma revolução.

Além disso, firmo meu pessimismo em outro raciocínio: a CBF jamais demitira Mano agora, sem um grande motivo, se não tivesse outro técnico de ponta engatilhado. E no momento parece óbvio: Felipão é a carga na manga de Marin. Sem clube, ele já poderia ter acertado ou pelo menos negociado com outros times de ponta, como Grêmio e Inter, além de clubes do exterior. Mas provavelmente se resguardou porque tem a certeza de que vai assumir a Seleção. Com uma ressalva.

Mas é claro que há uma ressalva: afinal, se Felipão estivesse 100% confirmado, poderia ser anunciado agora, não em janeiro apenas. O que fez a CBF adiar esse anúncio é o “fator Tite”. Explico – o técnico do Corinthians é competente, tem estilo que agrada à CBF, quer assumir a Seleção e está em alta. Porém, vai disputar o Mundial de Clubes em dezembro. É preciso esperar o que vai acontecer no Japão para que a CBF tome a última decisão.

Caso o Corinthians vença, Tite estará elevado ao nível de Deus entre os corintianos e será cada vez menos contestado por outras torcidas. Aproveitará para sair em alta do time paulista e irá direto para a Seleção, tomando o lugar que seria de Felipão. Caso perca, continuará bem no Corinthians e deixará o lugar aberto para seu companheiro gaúcho, que já está conversado com a CBF.

É claro que tudo isso é observação e análise, não informação. Mas parece muito mais realista do que imaginar que Guardiola vá assumir a Seleção às vésperas da Copa de 2014…

Me surpreenda, Marin.

Anúncios

Read Full Post »

Assim que virou presidente da CBF, José Maria Marin fez uma afirmação que foi mal interpretada e gerou polêmica: “o desempenho na Olimpíada vai ser fundamental para o futuro da Seleção Brasileira”. Acharam que ele estava apenas pressionando o técnico Mano Menezes, indicando que ele sairá do cargo se não for campeão em Londres.

Calma, Mano, não é bem assim...

Calma, Mano, não é bem assim…

Pode até ser que essa tenha sido a intenção de Marin. Mas o importante é que essa frase é verdadeira por outras razões: o time olímpico realmente vai trazer observações fundamentais para a Seleção Brasileira. É algo que vai influenciar demais a Copa do Mundo de 2014 e não apenas pelo resultado, mas principalmente pelo desempenho de alguns jogadores.

Listo a seguir as sete principais questões que precisam ser observadas na Olimpíada e que serão fundamentais para a Copa de 2014:

Tática definida?
Mano Menezes ainda não conseguiu sequer definir qual é o esquema tático ideal da Seleção Brasileira. Sua tendência é escalar a equipe em um 4-3-3, o que deve ser feito na Olimpíada. Se funcionar, será mantido para a equipe principal. O importante é manter um padrão para os jogadores não ficarem ainda mais perdidos do que estão.

Temos um substituto do Ganso?
É uma questão que tem atrapalhado Mano Menezes desde o começo do seu trabalho. Ele aposta no camisa 10 santista, mas as lesões do meia insistem em aparecer. Diversos jogadores já foram testados na função dele, como meia central. Mas agora, principalmente nos amistosos, teremos um teste importante: Oscar vai jogar na posição e tem potencial para dar conta do recado. Já começou bem contra a Dinamarca…

Neymar é craque?
Não se trata de discutir a genialidade de Neymar. Mas ainda é preciso medir o quanto ele é decisivo. No Santos ele já provou que realmente é um craque, mas falhou em sua única missão de verdade pela Seleção, a Copa América de 2011. Contra jogadores olímpicos ele terá mais facilidade, mas a responsabilidade e a pressão também será maior. Caso aguente tudo isso, será um bom sinal de que Neymar está pronto para a Copa de 2014.

Lucas é Seleção?
Mano Menezes tem uma clara má vontade com o meia-atacante do São Paulo. Lucas já foi convocado pelo técnico dez vezes, mas jogou poucos minutos em todas estas oportunidades. Como foi discreto contra a Dinamarca, deve ir para o banco de reservas. Porém, na Olimpíada a tendência é que ele seja titular. Resta saber se ele convencerá Mano de que essa é a escolha certa.

Temos goleiros e volantes?
São as duas posições que temos mais carência na Seleção principal, pois não há um nome que seja indiscutível. Entre os goleiros, resta saber se Jefferson será convocado entre os três jogadores acima de 23 anos. Ele é o goleiro que mais recebeu convocações de Mano Menezes e parece ter a confiança do treinador. Mas se ele não for para Londres, a bomba estará com Rafael, do Santos, que parece pronto para o desafio, mas ainda não foi testado de verdade.

Já entre os volantes a situação é mais complicada. Sandro, Rômulo e Casemiro não aparentam ter a maturidade necessária para serem titulares da Seleção principal. Fernando, do Grêmio, que vive grande fase no Grêmio e ainda pode ser chamado, tem o mesmo problema. Mas quem não tem? Mano tem escalado Lucas Leiva e Fernandinho, mas é uma dupla que não inspira confiança e ainda deve mudar até 2014. Resta saber se os olímpicos farão parte dessa mudança.

Quem será nosso centroavante?
Não vejo a situação dos nossos centroavantes com tanto pessimismo quanto outras pessoas. Confio mais em Leandro Damião, mas também acho que o único problema do Alexandre Pato é físico. Entre os olímpicos, realmente não há mais ninguém de nível, mas Fred pode assumir a camisa 9 na Seleção principal. Portanto, o problema nem é a falta de nomes, mas sim a falta de definição sobre quem será o titular. A Olimpíada pode ajudar com isso

Mano tem que ficar?
É impossível não pensar que o cargo do técnico está sob risco. Mas ele terá que se esforçar demais para perdê-lo. Acima de tudo, porque a Seleção caiu em um grupo fácil na Olimpíada. Mas também porque este time tem qualidade e muito potencial para conquistar o primeiro ouro olímpico do Brasil. Se for para apostar, coloco meu ouro no título tupiniquim em Londres. E, portanto, Mano Menezes como técnico da Seleção até 2014.

Read Full Post »

Não é segredo para ninguém: o futebol brasileiro precisa passar por grandes mudanças. Com a saída de Ricardo Teixeira da CBF, estamos no momento ideal para isso. É claro que só a renúncia dele não vai resolver tudo, até porque José Maria Marin está longe de ser um milagreiro. Mas o tempo é de reflexão para que entendamos o que está acontecendo com nosso futebol. Só com esse diagnóstico podemos evoluir a longo prazo.

Um texto recente ajuda bastante nessa missão de entender o momento do futebol brasileiro. E ele é surpreendentemente de um jogador, o zagueiro Paulo André, do Corinthians. Em seu site, ele publicou no último domingo “A encruzilhada do futebol brasileiro”. Escreveu bem sobre algo que muitos já perceberam: o futebol brasileiro está em grave decadência. Isso precisa ser percebido por todos antes que seja tarde demais.

As conquistas das Copas de 1994 e 2002, além da final de 1998, esconderam essa realidade. Além disso, deram moral para que Ricardo Teixeira se perpetuasse no comando da entidade máxima do futebol brasileiro por longos 23 anos. Mas as consequências disso ainda estão por vir. Explico…

Assim como Paulo André destacou em seu texto, o futebol brasileiro sempre teve qualidade técnica de sobra e bastou juntar isso a um bom preparo físico para nos tornarmos dominantes. Quase criamos até uma hegemonia no futebol. Quase. Porque ainda falta muita evolução em dois pontos básicos: organização e conhecimento tático.

Em relação ao conhecimento tático, é fácil perceber como ainda há preconceito sobre isso no Brasil. Enquanto os espanhóis dão aula sobre isso, não só com o Barcelona, nós ficamos presos em conceitos ultrapassados. Como escreveu Paulo André, “estamos em 2012 e no Brasil tem gente que ainda fala em ala, três zagueiros e volante de contenção”. É preciso se aprofundar mais, buscar novas táticas, sair do 4-4-2 tradicional, debater ideias e valorizar quem tem conhecimento sobre isso.

O técnico Tite é um bom exemplo disso. Grande entendedor de tática, ele sempre sofreu preconceito. Claro que seu jeito de falar contribui para o folclore, mas muitos costumam ironizar também suas divagações táticas. Ele não se importa com isso e continua decidindo jogos com substituições ousadas, variações estratégicas interessantes e times bem treinados. Nem é preciso repetir o quanto ele foi fundamental no título brasileiro do Corinthians. Gente como ele precisa ser mais respeitada e menos ironizada.

Mas a questão mais importante é a organização mesmo. Destaco mais um trecho do texto de Paulo André para ilustrar isso: “A categoria de base da maioria dos clubes brasileiros está jogada ao Deus dará. Os cargos dentro dos clubes, federações e confederações ainda são políticos e não técnicos. Isso tem que mudar!”. E essas questões ainda são pequenas se lembrarmos das acusações de corrupção contra Ricardo Teixeira. Afinal, não é pouco o dinheiro que a CBF tem, mas pouco disso foi usado para fazer evoluir nosso futebol durante os últimos 23 anos.

A consequência desse tipo de política só aparece a longo prazo. Os resultados da gestão de Ricardo Teixeira começaram a surgir em campo apenas há pouco tempo, mas tende a se estender por longos anos. Nossa Seleção Brasileira atualmente é fraca e é difícil acreditar que isso vá mudar em breve. Simplesmente porque nada foi feito para cuidar do futuro do futebol brasileiro.

Por isso insisto: se o futebol brasileiro não se reinventar, vai continuar atrás de espanhóis, alemães, holandeses e ingleses, como acontece atualmente. Eles podem não ter toda nossa técnica, mas tem muito mais organização. É evidente que toda essa mudança não vai começar com José Maria Marin. Mas fico no aguardo de sua queda para que algo realmente mude no futebol brasileiro. O que não falta é gente que pensa sobre isso. Agora falta alguém que faça.

Read Full Post »