Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Ricardo Gomes’

O Vasco perdeu a Copa Sul-Americana nesta quarta-feira. E tem tudo para perder também o Campeonato Brasileiro, no próximo domingo – sempre apostei no Corinthians e insisto nesse palpite. Mas o Vasco já ganhou algo muito mais importante nesta temporada. E não foi só a Copa do Brasil, claro. Foi o respeito. O Vasco renasceu em 2011 e voltou a ser o grande time que nunca deveria ter deixado de ser.

Dedé no Vasco

A raça de Dedé é a cara do Vasco em 2011

Acima de tudo, o Vasco conseguiu isso por causa da garra, superação e intensidade dos seus jogadores. Foi com o coração, e nem sempre com a técnica, que eles conseguiram surpreender durante o ano todo.

Afinal, em janeiro era impossível imaginar que o Vasco se acertaria. Mas Ricardo Gomes chegou, arrumou o time e ficou impossível imaginar que o time disputaria também o título do Brasileirão. Mas logo isso se tornou realidade e ficou impossível imaginar que ir longe na Copa Sul-Americana também seria um objetivo do time. Mas isso aconteceu e os jogadores provaram que seria difícil pará-los.

Nem um AVC conseguiu. Afinal, a tragédia com Ricardo Gomes foi superada de uma forma exemplar por todos, principalmente pelo técnico interino Cristóvão Borges. Eles encararam o problema como motivação e criaram a história mais bonita do futebol brasileiro em 2011.

Mas é claro que o Vasco não é feito só de garra, transpiração e inspiração. É feito também de uma interessante mistura de jovens e experientes. A comissão técnica soube utilizar veteranos, como Felipe e Juninho, da maneira certa: sem dar a eles toda a responsabilidade de carregar o time ao sucesso. E estes com certeza ajudaram os vários jovens de qualidade do Vasco, como Dedé, Rômulo, Allan, Bernardo, Fágner, etc…

Esse não é um texto de consolo para o eliminado e cansado Vasco. É uma homenagem antecipada. Até porque, com esse Vasco grande e recuperado, é melhor não duvidar de nada. Se o Vasco levar o título do Brasileirão 2011 no domingo, vai apenas coroar esse renascimento. E se não levar… o mais importante já está conquistado e ponto final.

Anúncios

Read Full Post »

O clássico paulista desta quarta-feira é muito mais decisivo do que parece ser. São Paulo e Corinthians vão se enfrentar em um jogo que não vale só 3 ou 6 pontos. Vale mais. É quase uma final antecipada, pois coloca frente a frente os dois times com mais chances de título no Brasileirão atualmente.

Luís Fabiano e Adriano na Seleção
Jogadores com nível de Seleção ainda podem reforçar São Paulo e Corinthians na reta final do Brasileirão

Entendo que o momento seja do líder Vasco e por isso talvez soe estranho excluí-lo desse grupo de favoritos. Mas é impossível não pensar que uma hora ou outra, mais cedo ou mais tarde, o time sentirá a falta de Ricardo Gomes. Infelizmente. A previsão é que o técnico só volte daqui a seis meses, então isso ainda deve complicar a campanha do time carioca.

Outro time do Rio, o Botafogo, também tem condições teóricas de brigar pelo título. Mas na prática trata-se de um time limitado e que já surpreendeu demais. Caio Júnior e seus comandados precisam enxergar a realidade e se concentrar na briga por uma vaga na próxima Copa Libertadores, porque algo além disso é sonhar alto demais.

Mais abaixo na tabela é possível enxergar dois grupos: times em decadência e clubes que precisam de uma arrancada muito forte para entrar na briga pelo título. Palmeiras e Flamengo se encaixam na primeira parte, já que estão muito mal e dificilmente terão forças para reagir.

Já a segunda parte tem Fluminense, Internacional e Santos. Mas conseguir uma arrancada tão rápida no Brasileirão não é fácil. E só o time de Muricy Ramalho, com seu elenco recheado, teria forças para isso. O difícil é saber se o pensamento no Mundial, cada vez mais perto de acontecer, não vai fazer os jogadores desanimarem novamente, como no começo do Brasileirão.

Portanto, com tantos problemas nos rivais, São Paulo e Corinthians se isolam como grandes favoritos ao título do Brasileirão. Não que eles não tenham problemas. Mas eles ainda podem contar com duas soluções importantes: Luís Fabiano e Adriano. O primeiro deve voltar neste final de semana e o outro no começo de outubro. Quem estiver melhor recuperado tem tudo para ser decisivo na reta final. Mas este momento decisivo, ironicamente, começa sem a presença deles, já nesta quarta-feira.

Read Full Post »

Campeão da Copa do Brasil e do Brasileirão 2011. Esse é o Vasco, da melhor defesa do Brasil, com Dedé e Anderson Martins. O Vasco turbinado por seus ídolos já veteranos, mas ainda eficientes, Felipe e Juninho Pernambucano. O Vasco de um craque renascido, Diego Souza. De um centroavante ressurgido, Alecsandro. O Vasco dos jovens promissores, como Rômulo, Bernardo, Fágner e Allan. O Vasco de Roberto Dinamite, que enterrou Eurico Miranda no passado de um clube tão grande.

Vasco campeão

É campeão!

É claro que o parágrafo acima ainda tem grandes doses de ilusão. Mas não se espante se, daqui a quatro meses, tudo se tornar realidade. Afinal, foi esse o principal recado que a 14ª rodada do Brasileirão mandou: o Vasco quer e pode sim alcançar o título.

A vitória contra o Santos mostrou claramente a diferença de vontade entre os dois times. Enquanto o Peixe relaxa por causa do título da Libertadores, o Vasco “está faminto”, como escreveu Lédio Carmona. E fico muito surpresa com toda essa vontade dos vascaínos…

Mas não é só fome que leva um time ao terceiro lugar do Brasileirão. O Vasco também tem bola para estar onde está. “O Vasco mostrou um time sólido e organizado”, escreveu Pedro Venancio. É isso. Baseado no bom trabalho de Ricardo Gomes, os cruzmaltinos tem o que poucos têm no país – um conjunto forte, que não depende de um ou outro jogador.

Mas uma hora os problemas virão. Ainda faltam muitos jogos e não vai ser fácil o time ficar no topo da tabela o tempo todo. E quando cair? Vai ter bola suficiente para subir novamente? E mais importante: vai ter fome suficiente?

Antero Greco e Alberto Helena Jr. entendem que sim. Para eles, o Vasco já “entrou na briga pelo título”. Mas eu ainda prefiro a cautela. Não aposto. A falta de motivação e concentração ainda devem sabotar o Vasco. A diferença é que hoje, como fiz no primeiro parágrafo, já consigo pelo menos imaginar um novo time como o grande campeão de 2011.

Read Full Post »

Em janeiro, após os primeiros jogos do Campeonato Carioca, seria ridículo apostar que o Vasco seria campeão de algo em 2011. Cinco meses depois, o time evoluiu, se reconstruiu e conquistou a Copa do Brasil. Mas o que mudou em tão pouco tempo?

É simples: a diretoria do time contratou bem e os reforços começaram a dar certo. Três recém-chegados foram decisivos para a evolução do Vasco. E todos eles chegaram com a temporada já iniciada. Diego Souza, Alecsandro e o técnico Ricardo Gomes mostraram resultados rapidamente e foram decisivos.

Subestimado no Inter, Alecsandro foi o artilheiro da Copa do Brasil
Subestimado no Inter, Alecsandro foi o artilheiro da Copa do Brasil

Além deles, há também aqueles que chegaram no começo do ano, mas demoraram um pouco mais para se adaptar. É o caso de Bernardo e Anderson Martins, que tinham feito um ótimo Brasileirão 2010 por Goiás e Vitória, respectivamente, mas poucos viram. E há ainda Juninho Pernambucano, que não estreou por enquanto.

Tudo isso passa pelo talento de um homem: Rodrigo Caetano, diretor executivo de futebol do Vasco. Responsável pelas contratações do time, ele não acertou todas (Leandro ‘Gianecchini’, por exemplo, foi um grande erro). Mas tem comprovado toda a fama que conquistou no Rio de Janeiro ultimamente.

É preciso citar também o trabalho das categorias de base, já que jovens como Rômulo e Allan foram fundamentais no título. Mas a política de contratações do Vasco está perto da perfeição. Não foi apenas o campeão da Copa do Brasil. Foi também vencedor da grande disputa que é o mercado da bola.

Read Full Post »

O Brasileirão 2010 segue com uma incrível média de quase uma mudança de técnico por rodada. Marcelo Rospide, ex-Grêmio-SP, foi o último demitido – nem deveria ter sido contratado, claro. Agora o Flamengo tem indicado que Silas pode ser a próxima vítima dessa situação alarmante, na qual todos treinadores parecem interinos em seus cargos.

Elaborei uma lista das piores trocas de técnicos que aconteceram durante o Brasileirão. Não foi fácil, pois as opções negativas eram muitas. Pensei em usar o aproveitamento de pontos com cada técnico para fazer isso, mas creio que estatísticas são insuficientes para isso. É preciso levar em conta questões complexas dos contextos de cada caso. Com esses critérios e essas análises, fiz a lista abaixo:

11º) São Paulo – saiu Ricardo Gomes. Sérgio Baresi assumiu interinamente.
Realmente o time precisava muito de uma mudança de técnico, mas era algo que precisava ter sido melhor pensado. Baresi tem trazido novidades interessantes para o São Paulo, principalmente na revelação de jogadores, mas claramente ele não está pronto para ficar no cargo. E o pior: o Tricolor Paulista perdeu a chance de contratar Dorival Júnior.

10º) Vasco – saiu Celso Roth. PC Gusmão assumiu.
O time carioca não poderia ter perdido o técnico que depois virou campeão da Copa Libertadores. É claro que o trabalho de PC Gusmão também tem dado algum resultado, mas a equipe segue lutando contra o rebaixamento, sendo que poderia estar em uma situação melhor.

9º) Flamengo – Rogério Lourenço. Silas assumiu.
A crise enfrenta pelo Rubro-Negro atualmente é resultado de uma troca que foi justificada da pior maneira possível: Zico deixou claro que só fez isso por causa da torcida. Ora, se ele vai deixar os flamenguistas comandarem o time dessa maneira, é melhor pedir demissão e entregar seu cargo de uma vez.

8º) Vasco – Gaúcho saiu. Celso Roth assumiu.
É claro que Gaúcho não era o nome certo para comandar o Vasco no Brasileirão, mas os erros aqui foram outros: em primeiro lugar, o elenco do Vasco era muito fraco no começo da competição e não houve tempo para que os reforços estreassem sob o comando de Gaúcho. E a própria sucessão também foi um erro, como já comentado acima.

7º) Goiás – Leão saiu. Jorginho assumiu.
Difícil é saber o que foi pior: ter dado a chance para que Leão ficasse no cargo por tanto tempo ou contratar um técnico ainda inexperiente para consertar toda a bagunça que foi deixada. Jorginho chegou há pouco tempo e até conseguiu alguns poucos bons resultados, mas não deve fazer o time escapar do rebaixamento.

6º) Ceará – PC Gusmão saiu. Estevam Soares assumiu.
Aqui os resultados são implacáveis: com um técnico, o time estava organizado defensivamente e até estava no alto da tabela. Com outro treinador, já era esperada uma queda de rendimento, mas Estevam desorganizou o time, que já virou candidato ao rebaixamento novamente.

5º) Atlético-GO – Geninho saiu. Roberto Fernandes assumiu.

O time de Goiás tentou aproveitar a pausa para a Copa do Mundo e mudou seu treinador, mas rapidamente teve que admitir que fez a escolha errada: Roberto Fernandes ficou no cargo apenas por quatro rodadas, fazendo o time desperdiçar um bom período que teve para treinamentos.

4º) Grêmio-SP – Toninho Cecílio saiu. Antônio Carlos Zago assumiu.

Não era hora para uma aposta. E Zago por enquanto é apenas só isso. O time de Presidente Prudente errou demais ao substituir um técnico que, se não era o ideal, pelo menos estava conseguindo surpreender. Com a reposição mal feita, a entrada na zona do rebaixamento foi uma questão de tempo.

3º) Ceará – Estevam Soares saiu. Mário Sérgio assumiu.
Se tudo já tinha ficado ruim com a saída de PC Gusmão, imagine quando chegou um técnico que há anos só tem acumulado trabalhos ruins. Ele quis fazer uma grande reformulação no elenco, mas durou apenas um mês no cargo e só piorou a situação do Ceará.

2º) Grêmio-SP – Antônio Carlos Zago saiu. Marcelo Rospide assumiu.
Aqui é necessária a utilização dos números: 15 pontos foram disputados desde que essa mudança foi efetuada no time prudentino,  mas nenhum foi conquistado. Após cinco derrotas seguidas, Rospide pediu demissão e provou que nem deveria ter sido contratado.

1º) Vitória – Ricardo Silva saiu. Toninho Cecílio assumiu.
Não havia um motivo para a demissão de Ricardo Silva, que tinha levado o time à final da Copa do Brasil. Mesmo assim, a troca aconteceu e só serviu para piorar a situação do time baiano na tabela, com crises e derrotas vexatórias. Após 9 rodadas, Toninho foi demitido e a diretoria do Vitória admitiu seu erro ao voltar com Ricardo Silva no comando da equipe.

É claro que existem casos nos quais o resultado foi inverso: um novo técnico chegou e mudou para melhor a situação do time. Foi assim com Carpegiani no Atlético-PR, e com Renato Gaúcho no Grêmio, só para citar dois exemplos. Mas a cautela nesse tipo de decisão deve sempre prevalecer. O que não tem ocorrido de maneira nenhuma no Brasileirão 2010 ultimamente.

Que não só o Flamengo siga esse receita, mas Ceará, Santos, São Paulo e Avaí também tomem cuidado. Todos estão sem técnicos efetivados no momento e podem se complicar com essa importante decisão. Quem vai querer engrossar a lista acima?

Read Full Post »

Assim que Ricardo Gomes foi demitido e o São Paulo resolveu dar uma chance para Sérgio Baresi, acreditei que isso poderia ser positivo para o time. Até fiz um post aqui para explicar esse raciocínio.

Mas esse otimismo da minha parte só viraria realidade se dessem respaldo e tempo para Baresi. Claramente não foi o que aconteceu. As derrotas vieram e agora parece que o São Paulo já busca novamente um técnico.

Vários nomes foram especulados*, mas nenhum parece realmente próximo de um acerto. Há quem garanta que a decisão já vai ser anunciada nesta quinta-feira, mas por enquanto só nos analisar quais seriam as melhores opções de treinadores para o São Paulo:

* = A especulação sobre cada técnico está linkada no nome deles abaixo

1) Abel Braga
É um técnico disciplinador, de pulso e vitorioso. Sabe motivar elencos e isso é uma das coisas que o São Paulo mais precisa no momento, já que toda a estrutura do clube parece acomodada.

O problema é que ele mesmo já admitiu que sua saída do Al-Jazeera é extremamente complicada. O Tricolor paulista também já sabe que precisa pensar em outras opções…

2) Paulo Autuori
Suas passagens recentes por Grêmio e Cruzeiro foram ruins, mas é inegável que ele tem qualidades. Já conseguiu algum sucesso no São Paulo e certamente teria a torcida ao seu lado, pelo menos no princípio. Traria alguma tranquilidade ao conturbado ambiente do time do Morumbi.

3) Tite
É um técnico subestimado no Brasil, talvez pelo seu jeito de falar, talvez por ser contido demais. Mas tem conhecimento tático de futebol e já tirou outro time grande, o Corinthians, do perigo do rebaixamento, que é o principal fantasma atualmente no São Paulo.

4) Silas
Apesar de ter errado demais recentemente no Grêmio, ele tinha mostrado, no 1º semestre, alguma qualidade. Seu trabalho no Avaí, no ano passado, também tinha sido ótimo. Aparenta ser um técnico inteligente e pode dar certo em um clube no qual ele já fez sucesso como jogador.

5) Dunga
Quem acompanha esse blog sabe que eu não era um dos maiores críticos de Dunga na Seleção Brasileira. Por isso creio que ele merecia uma chance para treinar um time no Brasil. Seu estilo sério e disciplinador pode trazer um bom choque para o São Paulo.

Entretanto, por problemas pessoais, parece que Dunga não tem a intenção de voltar a treinar em breve.

6) Sérgio Soares
Seria uma aposta, já que o atual técnico do Santo André é novo e nunca treinou um time grande. Porém, ele já mostrou que tem qualidades e pode assumir esse desafio.

Sérgio montou o time que surpreendeu no Campeonato Paulista com algumas jovens revelações, exatamente o que o São Paulo poderia tentar fazer agora.

7) Vanderlei Luxemburgo
Ele não desaprendeu a montar bons times, mas com certeza está em decadência na carreira. Além disso, tem um perfil que não agrada parte da diretoria são paulina, o que atrairia ainda mais confusão para um time que já está com o ambiente conturbado demais.

8) Antônio Lopes
Confesso que fui surpreendido por seus bons resultados no comando do Avaí, mas continuo duvidando de sua capacidade atual. Antônio Lopes já foi bom, mas o tempo dele passou e hoje ele não conseguiria tocar a renovação que o São Paulo tanto precisa.

9) Leonardo
Sua passagem pelo Milan foi no mínimo estranha e ele não parece disposto a exercer esse função novamente. Aparenta ter um estilo comedido demais, sendo que o São Paulo, no momento, precisa de um técnico mais enérgico. Pesa contra ele também a falta de experiência.

10) Toninho Cerezo
Seu trabalho como treinador é pouco conhecido no Brasil, mas a recente passagem pelo Sport já deixou sinais negativos. O único ponto forte que consigo enxergar em sua contratação é o fato dele ter uma história gloriosa como jogador do São Paulo, o que poderia acalmar a torcida.

11) Maradona
Prefiro ficar com as palavras de Leco para comentar esse boato absurdo que surgiu sabe-se lá como: “É dificil, porque o São Paulo quer ser dirigido por homens do futebol, e não de marketing. Ele seria bom em marketing, mas no próprio país dele existem treinadores de mais qualidade”.

Read Full Post »

Se o mundo fosse um lugar ideal seria legal apoiar as sugestões de Mauro Cezar Pereira e Flávio Gomes: ambos imaginaram como seria interessante se os técnicos cogitados para substituir Dunga na Seleção Brasileira se recusassem a assumir o cargo.

No entanto, é totalmente improvável que isso aconteça e o melhor a fazer é estudar quais dessas opções são as mais interessantes para ficar com a bomba de evitar um novo Maracanazzo a todo custo. É o que tento analisar abaixo, com a lista dos 11 treinadores que podem assumir o Brasil a partir de agosto:

1) Felipão
É o nome mais óbvio e mais citado. Por isso causa tanta polêmica. Vitor Birner, Cassiano Gobbet e José Ilan o citaram como melhor opção. Já Ubiratan Leal e Mauro Cezar Pereira levantaram questionamentos e desconfianças.

Pois eu concordo mais com o primeiro grupo, mas não acredito que Felipão aceitará o desafio. Afinal, tem pouco a ganhar: caso ele vença a Copa, dirão que ele só fez sua obrigação. Caso perca, queimarão tudo de bom que ele realizou em 2002.

2) Mano Menezes
Alberto Helena Jr. e Carlos Pizzatto disseram preferir o técnico do Corinthians no comando da Seleção. Quase me convenceram a concordar com isso, admito.

É um técnico que já foi muito elogiado aqui, mas também teve grande parcela de culpa pelo fracasso alvinegro na Copa Libertadores. Ainda parece não estar pronto, mas pode dar certo.

3) Leonardo
A Seleção precisa de um coordenador e talvez o nome ideal para esse cargo seria o de Leonardo, como eu já tinha comentado no twitter. Com experiência em cargos administrativos, bom relacionamento com a imprensa e conhecimento do futebol internacional, ele aliviaria a pressão do técnico do Brasil para 2014.

Porém, como treinador, sua contratação seria um erro. Seu trabalho no Milan foi apenas razoável e ele ainda é inexperiente. Talvez assuma como tapa-buraco para que alguém melhor venha em 2012, mas é um grande risco.

4) Vanderlei Luxemburgo
Há quem ainda veja nela um ‘técnico top’, mas só consigo enxergar sua decadência nos últimos anos. Luxa já teve sua chance na Seleção e a desperdiçou, até por questões extra-campo.

Agora, com seu especulado envolvimento exagerado com o pôquer e fracassos seguidos em clubes grandes, como Palmeiras e Santos, não é a hora de dar nova oportunidade para ele.

5) Muricy Ramalho
Existem notícias e comentários que o especulam para o cargo, mas duvido que a CBF o contrate. Afinal, mais do que nunca a entidade precisa de um bom relacionamento com a imprensa (leia-se Globo) e Muricy definitivamente não prima por isso.

6) Paulo Autuori
Seu nome tem sido pouco cogitado na imprensa, até porque ele ainda está no futebol do Catar, mas ele tem bastante do perfil que a CBF procura e é um candidato com grandes chances.

Veja bem: candidato com chances não é candidato bom. São coisas diferentes. O último trabalho razoável de Autuori foi em 2005, no São Paulo, e ainda assim com ressalvas. Enfim… não gosto da ideia, mas já começo a me acostumar com ela.

7) Ricardo Gomes
A ida do técnico do São Paulo para a Seleção tem sido razoavelmente especulada e sem dúvidas ele é outro que tem um perfil interessante na visão da CBF. Mas…

Como bem lembrado por Marcelo Barreto, é preciso sempre destacar que, como técnico específico da seleção olímpica, ele não conseguiu sequer classificar a geração de Diego e Robinho aos Jogos de 2004, em Atenas.

8) Dorival Júnior
O bom trabalho que ele tem feito no Santos passou a credenciá-lo como técnico de nível de Seleção, mas a verdade é que ele ainda está distante disso.

Aliás, o próprio Dorival admitiu que há gente mais capacitada do que ele. Concordo. E é preciso destacar que essa declaração só mostra como ele é inteligente, tem potencial e ainda pode vir a ser um treinador do alto escalão brasileiro no futuro.

9) Falcão
Uma entrevista recente de Ricardo Teixeira, no qual ele falou sobre renovação, fez com que o nome do comentarista fosse especulado. O presidente da CBF lembrou que Falcão trouxe novos nomes para a Seleção após a copa de 1990, mas “foi sacrificado”.

No entanto, é preciso lembrar, como fizeram Ubiratan Leal e Dassler Marques, que esse discurso de Teixeira não deve ser posto em prática, infelizmente. E, dessa forma, acabarão as chances de Falcão virar de novo o técnico do Brasil.

10) Abel Braga
É um técnico experiente e vencedor, que lembra o estilo de Felipão. Por isso já foi cogitado na imprensa. Mas o fato é que seu melhor momento já passou, atualmente ele está esquecido e dificilmente será convidado.

11) Caio Júnior
É brincadeira do Zagallo neh?!!!

Até o Joel Santana disse que pretende entrar nessa festa. Mas aí a brincadeira passa dos limites…

Read Full Post »

Older Posts »