Feeds:
Posts
Comentários

Archive for março \22\UTC 2012

A fase de grupos da Copa Libertadores já entrou em sua reta final e confesso: os times brasileiros estão tendo mais dificuldades do que eu imaginava. Mesmo aqueles que estão boa situação não conseguiram vencer com facilidade. E ainda existem alguns times que correm risco real de serem eliminados nesta fase de grupos.

Eu não apostaria nisso. Ainda creio, como fiz nos palpites antes da Libertadores começar, que todos brasileiros vão avançar para a fase de mata-mata. Mas a situação de alguns times é complexa. Veja caso a caso a seguir:

Santos
Apesar da estreia ruim, só uma grande zebra pode tirar o Santos da próxima fase da Libertadores. O time ainda vai jogar em casa contra os dois adversários mais fracos do Grupo 1 (Juan Aurich e The Strongest) e, com isso, deve atingir doze pontos. Além disso, tem pontecial para vencer o Inter fora de casa.

Afinal, quem vai duvidar de um time com Neymar no elenco? Mas o Santos não é só ele e tem se acertado cada vez mais nesta temporada. Com as laterais mais seguras e um meio-campo finalmente mais criativo, segue firme como um dos favoritos ao título.

Internacional
O empate conquistado no sufoco contra o The Strongest, nesta quarta-feira, foi fundamental para o time gaúcho. Afinal, o time boliviano é o principal rival do Inter pela segunda vaga da chave do Grupo 1. Enfrentar o Santos, mesmo em casa, não será fácil. Mas na última rodada o adversário será o Juan Aurich, então o Inter terá tudo para se classificar.

O time ainda precisa de acertos. Desde que chegou ao Inter, Dorival sempre parece perdido por ter tantas opções. Mas esse elenco rico no ataque deve conseguer a classificação por causa do talento individual dos seus jogadores. Mesmo que um time de verdade ainda não esteja acertado e formado.

Flamengo
É o time brasileiro que corre mais riscos na Libertadores. Em primeiro lugar, porque está em um grupo em que não há cegos. Lanús, Olimpia e até o Emelec não são brilhantes, mas têm qualidades visíveis. Por isso mesmo a pontuação está embolada e uma vitória do Fla no próximo jogo seria fundamental. Mas essa partida será fora de casa e contra o Olimpia, ou seja, uma missão nada fácil.

Pior ainda é ver que o time ainda não se achou na temporada. A chegada de Joel Santana trouxe uma melhora no ambiente, mas poucas mudanças dentro de campo. O meio-campo que sempre critiquei continua sendo o pior problema e há poucas esperanças de melhoria. Mas no talento individual de Vagner Love e talvez de Ronaldinho Gaúcho é possível que a vaga seja conquistada.

Fluminense
Não dá mais para duvidar do Fluminense. É um time cheio de talentos, bem treinado, experiente e que está focado na briga pelo título. Por isso está 100% até agora, mesmo em um grupo complicado. Duas vitórias magras e aquele jogo impressionante contra o Boca Juniors, na Bombonera, me convenceram que o Flu está pronto para fazer bonito até na fase de mata-mata.

O problema na fase de grupos é ainda ter dois jogos para disputar fora de casa. O Arsenal-ARG até pode complicar, mas esse será apenas o duelo da sexta rodada. Até lá é possível que o Flu já tenha garantido sua classificação.

Vasco
A vitória desta quarta-feira, contra o bom time do Libertad-PAR, melhorou a situação do Vasco na Libertadores. Mas o resultado de 2 a 0, conquistado apenas com mudanças no segundo tempo, mostrou que o time ainda precisa de muitos acertos.

A força do Vasco está em seu grupo, que é unido e tem juventude bem misturada com experiência. Mas taticamente ainda faltam acertos, pois sequer existe um time base bem definido para esta temporada. A boa notícia é que Cristóvão Borges parece ter potencial para acertar isso com o tempo. A má notícia é que ele terá pouco tempo, pois o Vasco só tem mais dois jogos, ambos fora de casa, para garantir a classificação.

Corinthians
É o time que está com a melhor situação entre os brasileiros. Em um grupo fácil, fez sua obrigação, está invicto e seu jogo mais difícil, contra o Deportivo Táchira, será disputado em casa. Antes, enfrentará o Nacional-PAR e poderá até se classificar antecipadamente.

Mas esses resultados não podem iludir os corintianos. É evidente que o time ainda precisa de acertos, principalmente no ataque. Tirar Liédson do time, por causa da sua péssima fase, pode ser uma boa medida, mas não resolverá tudo. Porém, mesmo sem solucionar esse problema, o Corinthians tem um conjunto forte demais e seguirá como um dos favoritos ao título da Libertadores.

Read Full Post »

Quando saiu o sorteio da próxima fase da Liga dos Campeões, a reação imediata foi comemorar: podemos ter uma final entre Barcelona e Real Madrid. Ótimo! São os dois melhores times do mundo e a expectativa para ver um clássico dessa grandeza é normal. Mas é preciso cautela. A Liga dos Campeões tem dois times que ainda podem parar a dupla espanhola.

É fácil ter a sensação de que o Barcelona é um time invencível. Basta assistí-lo em um grande jogo para pensar isso. Afinal, adversários já tentaram pará-lo com todos tipos de estratégia, mas parece que nada funciona. Com tantos ótimos jogadores e um gênio chamado Messi, parece impossível superá-lo.

Mas alguns jogos já mostraram que isso não é verdade. Quando Barcelona e Milan se enfrentaram na fase grupos, por exemplo, tive essa certeza: o time italiano tem capacidade para bater o time de Messi e companhia. Os resultados foram um empate e uma vitória dos catalães, mas foram dois grandes jogos. Pelo menos um belo espetáculo já podemos esperar no novo confronto entre eles, pelas quartas de final.

Ao olhar para trás, vemos um Milan que foi dominado pelo Barcelona no primeiro jogo, mas que também mostrou qualidades defensivas. O time italiano se retrancou, apostou nas duas linhas de quatro e por pouco isso não funcionou – o gol da virada só saiu em uma cobrança de falta de Villa. Depois, Thiago Silva deixou tudo igual, marcando de cabeça. Foi uma partida em que o Milan pouco atacou, até porque estava sem Ibrahimovic, seu principal jogador. Mas mesmo assim poderia ter vencido.

Já no segundo jogo o Barcelona estava mais desfalcado e partiu para o jogo com seu novo 3-4-3. Dessa vez o Milan perdeu, mas também mostrou que poderia vencer. Afinal, é um time que tem meio-campistas criadores, como Boateng, Nocerino e Seedorf, além de um ataque rápido, pronto para surpreender a defesa nem sempre segura do Barcelona. Vale ainda lembrar que o time catalão não tem entrado ligado em todas partidas desta temporada. Se vacilar dessa forma contra o Milan, certamente sairá derrotado.

Caso o Barcelona realmente passe pelo Milan, não é difícil prever um Real Madrid contra Bayern de Munique nas semifinais. E então existirá outro perigo para que a final espanhola seja concretizada. Afinal, apesar dos altos e baixos na temporada, o time alemão tem qualidade para dar trabalho ao Real.

Ao contrário do Milan, que tem uma base forte e um padrão bem definido, o Bayern depende mais de seus talentos individuais. Mas não faltam jogadores que podem brilhar e decidir: Ribéry, Müller, Robben, Mario Gomez, Schweinsteinger, etc… É claro que o Real Madrid de José Mourinho está em sua melhor temporada, virou um time de verdade e já não depende apenas de Cristiano Ronaldo. Por isso terá todo favoritismo, mas não poderá dar espaço para o veloz e eficiente time alemão.

Não se trata de uma torcida. Também quero ver Barcelona x Real Madrid na final da Liga dos Campeões. Mas nem com o sorteio desta sexta-feira eu me animei com isso. Milan e Bayern de Munique estão prontos para estragar a expectativa de quase todo mundo.

Read Full Post »

Não é segredo para ninguém: o futebol brasileiro precisa passar por grandes mudanças. Com a saída de Ricardo Teixeira da CBF, estamos no momento ideal para isso. É claro que só a renúncia dele não vai resolver tudo, até porque José Maria Marin está longe de ser um milagreiro. Mas o tempo é de reflexão para que entendamos o que está acontecendo com nosso futebol. Só com esse diagnóstico podemos evoluir a longo prazo.

Um texto recente ajuda bastante nessa missão de entender o momento do futebol brasileiro. E ele é surpreendentemente de um jogador, o zagueiro Paulo André, do Corinthians. Em seu site, ele publicou no último domingo “A encruzilhada do futebol brasileiro”. Escreveu bem sobre algo que muitos já perceberam: o futebol brasileiro está em grave decadência. Isso precisa ser percebido por todos antes que seja tarde demais.

As conquistas das Copas de 1994 e 2002, além da final de 1998, esconderam essa realidade. Além disso, deram moral para que Ricardo Teixeira se perpetuasse no comando da entidade máxima do futebol brasileiro por longos 23 anos. Mas as consequências disso ainda estão por vir. Explico…

Assim como Paulo André destacou em seu texto, o futebol brasileiro sempre teve qualidade técnica de sobra e bastou juntar isso a um bom preparo físico para nos tornarmos dominantes. Quase criamos até uma hegemonia no futebol. Quase. Porque ainda falta muita evolução em dois pontos básicos: organização e conhecimento tático.

Em relação ao conhecimento tático, é fácil perceber como ainda há preconceito sobre isso no Brasil. Enquanto os espanhóis dão aula sobre isso, não só com o Barcelona, nós ficamos presos em conceitos ultrapassados. Como escreveu Paulo André, “estamos em 2012 e no Brasil tem gente que ainda fala em ala, três zagueiros e volante de contenção”. É preciso se aprofundar mais, buscar novas táticas, sair do 4-4-2 tradicional, debater ideias e valorizar quem tem conhecimento sobre isso.

O técnico Tite é um bom exemplo disso. Grande entendedor de tática, ele sempre sofreu preconceito. Claro que seu jeito de falar contribui para o folclore, mas muitos costumam ironizar também suas divagações táticas. Ele não se importa com isso e continua decidindo jogos com substituições ousadas, variações estratégicas interessantes e times bem treinados. Nem é preciso repetir o quanto ele foi fundamental no título brasileiro do Corinthians. Gente como ele precisa ser mais respeitada e menos ironizada.

Mas a questão mais importante é a organização mesmo. Destaco mais um trecho do texto de Paulo André para ilustrar isso: “A categoria de base da maioria dos clubes brasileiros está jogada ao Deus dará. Os cargos dentro dos clubes, federações e confederações ainda são políticos e não técnicos. Isso tem que mudar!”. E essas questões ainda são pequenas se lembrarmos das acusações de corrupção contra Ricardo Teixeira. Afinal, não é pouco o dinheiro que a CBF tem, mas pouco disso foi usado para fazer evoluir nosso futebol durante os últimos 23 anos.

A consequência desse tipo de política só aparece a longo prazo. Os resultados da gestão de Ricardo Teixeira começaram a surgir em campo apenas há pouco tempo, mas tende a se estender por longos anos. Nossa Seleção Brasileira atualmente é fraca e é difícil acreditar que isso vá mudar em breve. Simplesmente porque nada foi feito para cuidar do futuro do futebol brasileiro.

Por isso insisto: se o futebol brasileiro não se reinventar, vai continuar atrás de espanhóis, alemães, holandeses e ingleses, como acontece atualmente. Eles podem não ter toda nossa técnica, mas tem muito mais organização. É evidente que toda essa mudança não vai começar com José Maria Marin. Mas fico no aguardo de sua queda para que algo realmente mude no futebol brasileiro. O que não falta é gente que pensa sobre isso. Agora falta alguém que faça.

Read Full Post »

Ao ver Lionel Messi dar mais um show nesta quarta-feira, contra o Bayer Leverkusen, imediatamente pensei: “ele nunca jogou tão bem”. Cheguei a escrever algo sobre isso no Twitter do blog: “esse é o auge do Messi?”. Ao invés de comparações com Pelé, Maradona, Cristiano Ronaldo ou Neymar, fiquei pensando sobre essa comparação: Messi x Messi. E ainda não achei uma resposta. Explico…

O que mais encanta no Messi é seu potencial. Ele sempre quer se superar. Já fez quatro gols? Tenta e consegue fazer o quinto. Já venceu o Real Madrid duas vezes na temporada? Tenta e consegue humilhar o rival de novo. Já ganhou a Liga dos Campeões? Está com tudo para ganhar pela quarta vez. Já foi eleito o melhor jogador do mundo? Deve ganhar pela quarta vez seguida em 2012. Ele não se contenta com pouco e parece que jamais vai se acomodar. Por isso é impossível saber quando será o seu auge.

Ao falar de seus feitos, esbarramos na questão que todos sempre levantam: falta Messi brilhar pela seleção argentina. Falta uma Copa do Mundo. E não há dúvidas: falta mesmo. Principalmente porque seleção argentina é uma bagunça. É o contrário do Barcelona. Vencer a Copa por seu país representaria fazer algo quase impossível, já que o time não lhe dá condições para isso. Caso Messi supere essa dificuldade, vai merecer ganhar qualquer comparação.

Agora fica outra pergunta: dá para duvidar que Messi vá ganhar uma Copa do Mundo? Jogo após jogo, eles nos prova que não. Ele tem mostrado que ainda vai dar muito trabalho, fazer muitos gols e conquistar tudo. E insisto: é isso que mais encanta. Ele ainda não é maior ou melhor do que muitos gênios do futebol, mas tem potencial para ser. Por isso o importante, por enquanto, é evitar comparações e apenas aproveitar cada show desse craque. Deixo as comparações para o futuro, quando ele já tiver feito de tudo um pouco.

Read Full Post »