Feeds:
Posts
Comentários

Foram apenas cinco jogos, mas não tenho medo de dizer: a Seleção Brasileira tem um novo craque. Titular nos amistosos pré-olímpicos, Oscar ganhou a vaga de Ganso e já fez uma grande partida na Olimpíada, nesta quinta-feira, contra o Egito. Com várias assistências pela Seleção, ele roubou até o protagonismo do astro Neymar. Mesmo a imprensa internacional tem preferido destacar os feitos do novo jogador do Chelsea.

Não é à toa. Oscar realmente tem merecido tudo que conquistou com a amarelinha, porque sua evolução de um ano para cá tem sido impressionante. Ele deixou de ser um menino tímido para se tornar o melhor meia do futebol brasileiro, posição também perdida por Ganso. Mas qual é o grande diferencial de Oscar para o santista? Por que ele é tão melhor para a Seleção? Por que o Chelsea investiu cerca de 25 milhões de euros nele?

O grande segredo do futebol do Oscar é a movimentação. Ele é um meia com técnica, sabe fazer passes, lançamentos e até finalizar. Mas não é excepcional em nada disso. Ele é excelente na movimentação, na maneira como sabe se posicionar e fugir da marcação. Não fica centralizado, imóvel, como costuma fazer o próprio Ganso. Oscar cai pelas pontas, aparece na área e, dessa forma, preenche e abre espaço para seus companheiros. Isso é fundamental no futebol de hoje.

Contra retrancas cada vez mais evoluídas, só há uma forma de escapar: movimentação. É preciso que os jogadores invertam posições, como Neymar e Hulk têm feito com Oscar. Se ficarem imóveis, serão presas fáceis para qualquer retranca. Se mudarem de posição, vão confundir qualquer marcação. E a inteligência de Oscar para fazer isso tem estimulado todos jogadores do Brasil a fazer o mesmo. Basta ver o passe do meia para Rafael, no primeiro gol contra o Egito. Sem Oscar aquele gol jamais sairia, justamente porque ele se movimentou pela direita e induziu a Rafael a sair da lateral para o centro.

Oscar tem provado rapidamente que é muito melhor do que Ganso. Pode não chutar tão bem ou até não ter a mesma visão de jogo. Mas traz movimentação para uma equipe que precisa jogar exatamente assim, em velocidade. Se continuar nesse ritmo, vai roubar até a posição de Neymar. Não em campo, claro, pois atuam de forma diferente. Mas como principal craque da Seleção Brasileira, seja para conquistar a medalha de ouro, que ainda aposto que virá em 2012, seja para defender o País na Copa do Mundo de 2014.

Anúncios

Cego pelo título e empolgado pela festa, o palmeirense pode até tentar negar, mas é fato: o time de Felipão era o pior entre os quatro semifinalistas da Copa do Brasil. Grêmio e São Paulo têm elencos melhores, principalmente no ataque. E o Coritiba, mesmo sem estrelas, era melhor taticamente. O Palmeiras só é competitivo por causa das bolas paradas de Marcos Assunção. Como pode um time tão fraco ser campeão?

E o cenário era ainda pior por causa de alguns acontecimentos absurdos. Olhando para trás, lembramos da contusão de Wesley, que só foi contratado para virar desfalque. Mais para frente, teve o sequestro de Valdivia, que se recuperou, mas depois foi expulso na primeira final. Aliás, na decisão surgiram mais dificuldades: Barcos teve uma apendicite e Henrique acordou com febre na quarta-feira decisiva. Como pode um time tão azarado ser campeão?

E não era só azar. No mesmo dia em que o Corinthians foi campeão da Libertadores, na véspera do jogo de ida contra o Coritiba, surgiu a notícia de uma briga entre dirigentes palmeirenses. Verdade ou não, é um símbolo de como funciona o ambiente palestrino. Mesmo na maior das festas, pode surgir a maior das confusões. Sempre há alguém torcendo contra, mesmo que esteja do mesmo lado. São palmeirenses que não querem o melhor para o Palmeiras. Não tente entender. Apenas reflita: como pode um time ser campeão com um ambiente assim?

E ainda existem outros poréns. Vale lembrar que o Palmeiras está sem estádio. Foi jogar em Barueri, fora da capital paulista. Vale lembrar que o Palmeiras estava pressionado por tantos fracassos vergonhos recentes. E, acima de tudo, vale lembrar que o Palmeiras superou tudo isso. Como? Não é fácil explicar. Mas é necessário valorizar.

Todas essas dificuldades citadas acima só aumentam o valor do título do Palmeiras. Se antes diziam que ele estava virando um time pequeno, agora ele mostrou como é gigante. A camisa pesou. A tradição fez diferença. E os jogadores se superaram. Nada mais explica esse título. Porque o Palmeiras realmente não deveria ter sido campeão. Mas brigou o bastante para ser o campeão com mais justiça. E não há nada mais bonito no futebol do que um título justo e bem entregue.

Não deveria. Mas foi justo demais

Não deveria. Mas foi justo demais

O mérito é do Tite

O Corinthians tinha um problema no gol. E quem resolveu? Engana-se quem pensa que foi o Cássio. O mérito é do Tite, que teve coragem de bancar a mudança no momento certo.

O Corinthians tinha um problema na zaga. E quem resolveu? Engana-se quem pensa que foi Chicão, que entrou no lugar do lesionado Paulo André e deu conta do recado. O mérito é do Tite, que soube afastá-lo na hora certa em 2011 e recuperá-lo no momento necessário, neste ano.

O Corinthians tinha um problema no ataque. E quem resolveu? Engana-se quem pensa que foi Alex, que entrou no lugar de Liédson. O mérito é do Tite, que armou condições do time jogar sem um centroavante fixo na área.

O Corinthians tinha uma solução escondida no banco de reservas. E quem resolveu? Engana-se quem pensa que foi Romarinho, que entrou para decidir. O mérito é do Tite, que tomou a difícil decisão de afastar Willian do elenco.

O futebol é injusto por natureza. Mas quem sofre a maior injustiça desse esporte são os treinadores. Eles não jogam, mas são considerados os culpados. O atacante chuta para fora, o zagueiro não afasta o perigo, o goleiro falha, mas a responsabilidade sempre fica com quem sequer entra em campo. Por isso mesmo é tão importante fazer o contrário: valorizar o trabalho de um treinador quando tudo dá certo e um grande título é conquistado.

E no caso de Tite essa valorização é ainda mais importante. Afinal, por diversos detalhes, como alguns citados acima e outros ainda a citar, ele foi decisivo para o Corinthians. Já tinha sido fundamental no Campeonato Brasileiro. Agora foi ainda mais brilhante na conquista da Copa Libertadores da América. E com diferentes méritos, que vão além da escolha de jogadores.

Taticamente o principal mérito foi apostar em um sistema defensivo forte, que jamais pode ser confundido como retranca. O segundo gol de Emerson contra o Boca Juniors comprova isso: o Corinthians marca na frente, às vezes sob pressão, sempre disposto a roubar a bola e arrancar em velocidade para o gol. Se isso não dava certo, o time realmente recuava, mas de uma maneira tão efetiva que não chegava a sofrer pressão. Era difícil ver o Corinthians viver longos apuros, seja na Bombonera, na Vila Belmiro ou em São Januário.

Mas há outro mérito ainda maior de Tite: ele tinha o elenco do Corinthians em sua mão. Porque não adianta um técnico entender de futebol. Ele precisa convencer o grupo disso. Em sua carreira, Tite sempre mostrou ter muito conhecimento tático, mas nunca os jogadores entenderão tão bem seu jeito peculiar de falar. No Corinthians todos entenderam seus pedidos e obedeceram rigorosamente. Foram tão fiéis quanto a torcida. E por isso receberam de volta a fidelidade dos 30 milhões de apaixonados.

O Corinthians tinha um trauma histórico. E quem resolveu? Engana-se quem pensa que foi Emerson, Cássio, Danilo ou Paulinho. O mérito é do Tite, que transformou um pesadelho em sonho realizado. O mérito é do Tite, que fala muito, mas fala muito certo. O mérito é do Tite,  um dos maiores treinadores da história do Corinthians.

Chato é perder


Os jogadores tiveram que ouvir vaias. O técnico teve que responder às críticas. Mas nunca entendi qual era o problema. A Espanha foi tachada como “chata” e outros adjetivos piores durante a Eurocopa. Mas no final deixou a lição mais preciosa que poderia ensinar: chato é perder. A Espanha sabe vencer como poucos e, quando pode, ainda dá espetáculo.

A Espanha paga o preço de qualquer time que está na história: o nível de exigência é alto demais com quem já fez muito. A torcida quer show em todos os jogos, mas nem sempre é possível. Os adversários não estão mortos – eles estudam a Espanha, criam antídotos e preparam armadilhas. Alguns deles conseguem anular a armada espanhola. Mas de alguma forma a fúria vermelha reaparece, segue em frente e se prepara para dar espetáculo quando a chance aparece.

Essa é a única explicação que consigo ver para as vaias e críticas. Porque considerar “chato” o futebol espanhol é uma chatice. Ou uma burrice. Afinal, como desmerecer o eficiente toque de bola espanhol? Além de ser dificilmente copiável, é a melhor contribuição para a defesa. Os adversários ficam pouco com a bola e ainda se desgastam na marcação. Não é difícil explicar a invencibilidade de Casillas, que sofreu apenas um gol na Euro.

Mas as qualidades espanholas vão além das linhas de passe. A agressividade para roubar a bola e a marcação por pressão criam até mais dificuldades para quem tenta lhe enfrentar ou copiar. E o que chama mais atenção é a inteligência dos jogadores. Eles sabem a hora de avançar com tudo, de controlar o ritmo, mandar na partida. Foi assim contra a Itália e é assim contra todos. Por isso vence quase sempre e espanta qualquer chatice.

É claro que existem problemas. Mas eles não são ignorados. A falta de objetividade, por exemplo, foi algo que sempre preocupou. Mas tanto na Copa de 2010 quanto na Euro deste ano a seleção espanhol percebeu o erro e corrigiu durante a competição. Contra a Itália, na final deste domingo, foi possível ver uma Espanha em franca evolução. O que já é bom pode ficar ainda melhor. A ideia de usar Fàbregas como “falso centroavante” não é ruim, mas precisa ser trabalhada. Vai demorar, mas certamente dará certo.

Chato é ver o Chelsea jogar. Chato é ver o Atlético-GO jogar. Ver a Espanha só é chato para quem não gosta de ver a história do futebol sendo feita. Pois é exatamente isso que os espanhóis sabem fazer de mais legal: entrar para a história do futebol como uma das seleções mais incríveis de todos os tempos.

Corinthians campeão da Libertadores

Vem mais festa por aí!

Não se trata de mística. É muito mais do que “cara de campeão” ou “sorte de campeão”. O Corinthians tem futebol de campeão e é por isso que levantará o troféu da Copa Libertadores na semana que vem. É claro que essa certeza também vem por causa de detalhes, como a cabeçada de Viatri na trave, aos 46min do 2º tempo. Mas é impossível ignorar certos pontos fortes corintianos e as várias fraquezas dos argentinos.

O que mais chama atenção é a frieza do elenco corintiano. A maioria dos jogadores simplesmente não sentiu a pressão de jogar na Bombonera. O mais difícil, que é o começo de jogo, com a torcida explodindo e o adversário 100%, foi totalmente controlado pelo sistema defensivo do Corinthians. Depois, com a saída de Jorge Henrique, houve uma queda natural no nível na marcação. Mas nem com a ascensão do Boca os jogadores ficaram realmente abalados.

Esse ponto forte e decisivo vem por causa de dois fatores. O primeiro é a experiência. Afinal, jogadores como Alex, Danilo, Emerson e Chicão estão acostumados com decisão. Há ainda outros “cascudos”, como Alessandro, Fábio Santos e a melhor dupla de volantes do Brasil, Ralf e Paulinho. Por não depender de um jogador apenas, o Corinthians fica menos instável e consegue dividir tarefas, seja em uma situação boa, ruim ou péssima. Vimos todas elas na Bombonera nesta quarta-feira e nada mudou, por causa do conjunto.

Outro fator que fortalece o Corinthians é Tite. Desde o ano passado, o treinador conseguiu ter o elenco na mão de uma forma que poucos conseguem. É por isso que todos seus conhecimentos são aplicados tão bem em campo. Você pode ter um técnico bom e um ótimo elenco, mas os jogadores precisam ser obedientes para que dê certo. É isso que acontece no Corinthians. E nenhum outro clube na América do Sul funciona dessa forma.

Porém, como se não bastasse o Corinthians ser forte, o Boca é fraco. Mostrou isso também nesta quarta-feira. Não que falte qualidade ao time, mas não há diferenciais. Por vezes o Boca ainda aparenta ser um time em formação, sem ter certeza de que vá realmente evoluir. Depende de Riquelme, já que os outros bons jogadores, como Erviti e Mouche, por exemplo, não são decisivos. Santiago Silva, que parece o homem destinado a resolver tudo na frente, não tem talento para tanto.

Com esse cenário, que já era possível perceber antes do jogo desta quarta, o que poderia fazer a diferença era a Bombonera. Não fez. Já o Pacaembu lotado e incediado vai jogar a favor do Corinthians com certeza. Ninguém sentirá a pressão, por motivos já explicados acima. E na bola o Corinthians terá tudo para fazer seu tradicional 1 a 0, sem problemas, com poucos sustos e muita festa. Algo diferente disso irá surpreender demais. O Boca virou zebra.

Thiago Silva já está com o passaporte carimbado para Londres. O capitão da Seleção Brasileira vai disputar a Olimpíada como um dos jogadores acima de 23 anos. Restarão, portanto, duas vagas para os “velhinhos”. Depois dos amistosos da Seleção olímpica, cinco jogadores aparecem bem nessa disputa: Jefferson, Daniel Alves, David Luiz, Marcelo e Hulk.

Quem deve sair da briga mais facilmente é o goleiro Jefferson. O desempenho do santista Rafael nos três jogos que disputou não foi brilhante. Ele não chegou a falhar, mas também não mostrou tanta segurança e nem fez defesas incríveis. Mano nunca demonstrou grande confiança nele, mas ainda assim deve levá-lo como titular. Afinal, Jefferson (e nenhum outro goleiro brasilero) também não é brilhante e gastar uma vaga com um jogador dessa posição não fará diferença.

Rafael está à frente de Jefferson por falta de opção

Rafael está à frente de Jefferson por falta de opção

Já na lateral-direita há uma preocupação física em primeiro lugar: Daniel Alves se contundiu no ombro e pode não se recuperar a tempo. Caso consiga estar disponível, pode tirar Danilo ou Rafael do grupo, já que ambos tiveram desempenho defensivo abaixo da média nos amistosos. A questão é: Daniel Alves marca melhor que eles? Certamente não. A única diferença real seria no ataque, já que o time ficaria menos dependente das jogas pela esquerda. Mas o desempenho defensivo seria o mesmo.

Marcelo vive situação parecida na lateral-esquerda: é muito melhor do que seu principal concorrente, Alex Sandro, mas também tem problemas – é indisciplinado e deixa buracos na defesa. Porém, o outro jogador da posição que está pré-convocado é Lucas Mendes, do Coritiba, que foi pouco observado até agora. Portanto, a briga de Marcelo pode ser até com Daniel Alves, que já atuou como lateral-esquerdo na Seleção Brasileira e pode ser convocado como coringa.

Real x Barcelona na Seleção?

Real x Barcelona na Seleção?

Ainda nos problemas defensivos, existe a carência de zagueiros com idade olímpica. Juan e Bruno Uvini mostraram nos amistosos como é fraca nossa nova geração de beques. Mano poderia ter levado mais um jogador da posição para ser testado, como Rafael Tolói (Goiás), Manoel (Atlético-PR) ou até Marquinhos (Corinthians), mas é provável que nada mudaria. Isso só reforça a necessidade de levar outro zagueiro experiente, além de Thiago Silva. David Luiz é o nome ideal, por ter sido o mais testado até agora. Dedé é outra opção, caso o jogador do Chelsea não esteja 100% fisicamente.

Único jogador acima de 23 anos testado no ataque, Hulk foi o principal erro de Mano Menezes durante os amistosos. É evidente que o jogador do Porto/Chelsea foi bem, mas o técnico deveria ter testado outros jogadores na posição, principalmente Lucas, do São Paulo. Seria preciso observar se outros meia-atacantes podem dar conta do recado. Porém, mesmo sem esse teste, não aposto que Mano vá convocar Hulk. O problema na defesa é muito mais grave do que a falta de experiência dos jogadores ofensivos.

Conclusão
Como foi visto nos amistosos, a defesa é o principal problema da Seleção olímpica. Eu jamais confiaria em Juan, Bruno Uvini ou quaisquer outros zagueiros que não foram testados. Portanto, o ideal é convocar David Luiz. Já no ataque a situação parece melhor, ainda mais com a ascensão de Oscar. Portanto, eu descartaria Hulk e ficaria em dúvida entre Daniel Alves e Marcelo. Para resolver essa questão só com um parecer sobre o estado físico do jogador do Barcelona. Mas a tendência é que Mano opte por Marcelo e feche assim a lista dos 18 convocados para Londres:

Goleiros: Rafael e Neto
Laterais: Danilo, Rafael, Marcelo e Alex Sandro
Zagueiros: Thiago Silva, David Luiz e Juan
Volantes: Sandro, Rômulo e Casemiro
Meias: Ganso e Oscar
Atacantes: Neymar, Lucas, Alexandre Pato e Leandro Damião

Acertei, Mano?

Acertei, Mano?

É muito mais do que uma Copa do Mundo sem Brasil e Argentina. A Eurocopa, que vai começar nesta sexta-feira, tem seu próprio charme, suas histórias e muita importância. É nela que teremos real noção de como estão as seleções europeias na preparação para a Copa de 2014. E mais do que isso: com certeza veremos grandes craques, boas histórias e jogaços.

Só na primeira fase já é possível criar expectativa para diversos duelos. Seja pelo equilíbrio entre as seleções, pelo alto nível dos jogos ou até por questões históricas, existem partidas que serão imperdíveis nos próximos dias. Veja a lista a seguir e entenda:

7º) República Tcheca x Rússia
Quando: sexta-feira, 8 de junho, às 15h45
É o confronto entre as últimas surpresas da Eurocopa. Não aposto que elas podem repetir as campanhas inesperadas que já fizeram, mas pelo menos uma vai se classificar e esse jogo será importante para definir qual.

Os melhores talentos da seleção russa “surgiram” em 2008, mas não conseguiram se firmar depois. Dessa vez estão até reforçados por talentos como Dzagoev, então devem superar pelo menos a equipe tcheca, que parece envelhecida.

6º) Polônia x Rússia
Quando: terça-feira, 12 de junho, às 15h45
É um jogo recheado de questões históricas, já que a a Rússia sempre esteve envolvida em conflitos que determinaram as partições de território na Polônia.

Como jogam em casa e têm chances de classificação, os poloneses estão especialmente empolgados com essa partida. Há uma geração jovem no time da casa e os russos não podem esperar um time fraco pela frente. Uma vitória da Polônia não será nenhuma surpresa e com certeza renderá muita festa.

5º) Alemanha x Portugal
Quando: sábado, 9 de junho, às 15h45
O Grupo B realmente é da morte, por isso trará confrontos entre grandes equipes. Esse é um jogo que tende a ser desequilibrado, já que a Alemanha é superior em qualidade individual e como grupo, mas há um fator que pode igualar tudo: Cristiano Ronaldo. O português chega como melhor jogador Na Eurocopa para tentar ser o melhor Da Eurocopa.

Mas a missão do craque do Real Madrid não será fácil. Quase sozinho (Nani também é acima da média), terá que brilhar desde o primeiro jogo, que é exatamente contra Alemanha. Portanto, esse duelo já pode decidir previamente quem vai morrer no grupo, que ainda tem Holanda e Dinamarca.

C. Ronaldo não costuma jogar bem por Portugal, mas é melhor não duvidar

C. Ronaldo não costuma jogar bem por Portugal, mas é melhor não duvidar

4º) França x Inglaterra
Quando: segunda-feira, 11 de junho, às 13hs
Apesar de serem seleções tradicionalmente fortes, nem sempre conseguem ter poder de decisão e ainda passaram por crises recentemente. Os franceses até se recuperaram dos problemas na Copa de 2010, mas os ingleses perderam um time inteiro por lesões e ainda trocaram de técnico às vésperas da Eurocopa.

Ainda assim, é um confronto interessante. Seja porque também há uma questão histórica entre os países, seja porque os talentos individuais terão que desequilibrar. Além disso, como o jogo acontecerá na primeira rodada, será fundamental para amenizar ou agravar de vez as crises nas duas seleções.

3º) Espanha x Itália
Quando: domingo, 10 de junho, às 13hs
É outro jogaço que vai acontecer já na primeira rodada da Eurocopa. Em meio a uma turbulência em seu campeonato nacional, a Itália vai tentar superar a atual campeã do mundo. Há um favoritismo evidente para os espanhóis, mas duvidar da Itália nunca é uma boa ideia.

O time de Vicente Del Bosque tem um estilo de jogo consistente, mas parece sempre em formação, por causa do excesso de boas opções e das dúvidas na defesa. Para se aproveitar disso a Itália vai depender de destaques individuais, mas até tem jogadores que podem dar conta do recado, como Pirlo, Marchisio, Giovinco e principalmente Balotelli.

2º) Portugal x Holanda
Quando: domingo, 17 de junho, às 15h45
É claro que, quando pensamos em grande jogos, sempre falamos da qualidade do futebol. Mas Portugal x Holanda na Copa de 2006 foi um jogaço de outra forma. Os times guerrilharam em campo, quebraram o recorde de expulsões em um Mundial e criaram uma rivalidade entre si.

Agora vão se encontrar de novo em uma grande competição e a expectativa é por outro grande jogo. Espero que dessa vez apareça a qualidade do futebol. Mas uma nova guerra, com jogadores com tanta vontade, não seria uma má ideia.

Portugueses e holandeses travarão nova guerra?

Portugueses e holandeses travarão nova guerra?

1º) Holanda x Alemanha
Quando: quarta-feira, 13 de junho, às 15h45
Por uma Espanha esse duelo não foi a final da Copa do Mundo de 2010, o que mostra a força dessas seleções. E o melhor é que elas pouco mudaram durante os últimos dois anos. Os holandeses ficaram um pouco mais fracos, enquanto os alemães estão ligeiramente melhores. Mas nada que atrapalhe o equilíbrio desse jogaço

É uma possível prévia da final, ja que ambas devem sobreviver ao grupo da morte e ir longe na Eurocopa. A Holanda é muito mais eficiente do que encantadora, mas o futebol da Alemanha impressiona. Com jogadas rápidas, bom toque de bola e um elenco de dar inveja, é minha favorita para esse jogo, para a classificação no grupo e até para o título.